A Comissão de Avaliação do Comitê Olímpico Internacional (COI) apontou hoje a Copa do Mundo de 2014 e a falta de leitos nos hotéis como os principais obstáculos ao plano da cidade do Rio de Janeiro de sediar os Jogos Olímpicos de 2016.

Num relatório, o COI disse que a candidatura do Rio tem se destacado por apresentações de “excelente qualidade”. Porém, ressaltou que, para o Brasil, seria um desafio organizar ao mesmo tempo a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016.

Outro ponto criticado na candidatura carioca foi o déficit na capacidade hoteleira.

A julgar pelas avaliações apresentadas hoje, Tóquio, no Japão, é a cidade com mais chances de sediar os Jogos Olímpicos de 2016, embora precise detalhar melhor seu plano de instalações.

Sobre Madri (Espanha), o COI disse que os promotores da candidatura precisam “delinear claramente os papéis e responsabilidades” no organograma administrativo proposto.

“A documentação e as apresentações feitas à comissão pelos principais organizadores foram de qualidade díspar”, disseram os avaliadores a respeito da visita que fizeram a Madri no primeiro semestre.

A comissão de avaliação também disse que “não está claro se a legislação espanhola antidoping está em consonância com o código da Agência Mundial Antidoping”.

Já Chicago (EUA), a quarta e última cidade candidata à sede da Olimpíada de 2016, foi criticada por não explicar como faria frente a um eventual déficit econômico.

O documento divulgado hoje pelo COI não tem caráter vinculativo. Seu conteúdo servirá apenas de orientação para os eleitores que, em 2 de outubro, escolherão em Copenhague a sede dos Jogos de 2016.

Sem mais artigos