Se restava alguma dúvida sobre a capacidade, brilho e maestria do jamaicano Usain Bolt nas pistas de atletismo, nesta tarde de quinta-feira, no Mundial de Berlim, a constatação final: mais uma medalha de ouro – nos 200m -, mais um recorde mundial e mais sorrisos para os fotógrafos e para o mundo.

Como se fosse fácil, o velocista da Jamaica, que já havia faturado os 100m com quebra de recorde mundial, cravou a marca de 19s19 nos 200m, baixou o seu próprio tempo anterior (19s30) e não deu a menor chance aos seus adversários.

Enquanto os concorrentes disputaram o segundo lugar cabeça a cabeça, Bolt já corria para as proximidades da torcida e, emocionado, agachou-se para ser cercado por dezenas de fotógrafos que queriam registar o feito histórico do atleta.

Se queriar ser lenda, como afirmou há dois dias, Usain Bolt alcançou seu objetivo. Após exibição fantástica nos Jogos Olímpicos de Pequim, no ano passado, ele agora faturou os 100m, os 200m e a simpatia de todos que acompanharam o Mundial de Atletismo de Berlim.

Sem mais artigos