“Levei um susto quando vi a notícia na TV. Não passava pela minha cabeça que uma prova como o Enem poderia ser adiada, o sentimento é mesmo de revolta, fomos lesados e isso interfere em muitas coisas para os vestibulandos”, desabafa a estudante Leidiane Utiyke, 20, que tenta uma vaga no curso de relações públicas.


 


Esse é o depoimento de uma vestibulanda entre os 4,5 milhões de candidatos que iriam prestar as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) nos dias 3 e 4 deste mês. No entanto, na última quinta-feira (1º), o Ministério da Educação (MEC) cancelou a aplicação do exame em todo o país após o seu conteúdo ter vazado, sendo oferecido a órgãos de imprensa de São Paulo.


 


Nas semanas que sucederam o acontecimento, o ministro da Educação, Fernando Haddad, fez vários pronunciamentos e até a Polícia Federal investiga o caso. O exame que foi roubado já está disponível no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) e as conseqüências do adiamento divide a opinião dos estudantes que fariam as provas.


 


“Assim como eu, os meus amigos estão indignados e preocupados, com tantas mudanças nos vestibulares e no Enem, no fim das contas, nos sentimos como cobaias!”, dispara Leidiane. Oposto ao seu pensamento, o vestibulando Leonardo Cruz, 18, que prestaria o exame pela primeira vez, não vê problemas no adiamento: “Apesar da grande maioria estar criticando, eu achei bom o vazamento da prova, pois já estou com ela em mãos e posso estudar exatamente o que deve cair. Além de ganhar a oportunidade de estudar mais, já que não estava me sentindo preparado para enfrentar o exame”, conclui o jovem que pretende cursar engenharia da computação.


 


Dividindo a mesma angústia que Leidiane está a estudante Karina Betim, 21, que há quatro anos tenta ocupar uma cadeira em um curso de medicina: “Eu estava tranqüila, queria fazer a prova logo.


 Foi uma falta de responsabilidade do ministro da Educação que permitiu que isso acontecesse, não consigo nem calcular o número de estudantes que estão sendo prejudicados. Está um rolo sem tamanho, não se tem mais certeza de nada, a minha maior preocupação é com a nova data e como vai ficar a utilização da nota pelas universidades, tenho medo do Enem coincidir com algum vestibular importante”, conta a estudante.


 


Apesar da organização de passeatas estarem rolando em vários Estados, além de comunidades no orkut reunirem pessoas para fazer a nova prova com nariz de palhaço, há aqueles que pensam que tudo isso é perder tempo. Para o estudante Caio Gonçalves, 22, não há necessidade de todo esse alarme. “Não adianta chorar pelo que já aconteceu, ao invés de ficar reclamando, as pessoas deveriam aproveitar pra estudar mais e se preparar melhor. Não vai sair ninguém mais prejudicado que ninguém, está todo mundo no mesmo barco.”, ameniza o candidato que tenta o curso de jornalismo.


 


A partir deste ano, o Enem, que seria aplicado em 113.857 salas de 10.385 escolas diferentes, é requisito para a entrada em pelo menos 40 universidades federais, além de ser necessário para quem disputa uma bolsa do Programa Universidade para Todos (ProUni). O ministro da Educação promete divulgar a nova data ainda nesta quarta-feira (7).


 


E o que você  pensa? Registre sua opinião e deixe seu comentário!



Leia Mais


 


Data do Enem será divulgada na 4ª, diz Haddad


Nova prova do Enem já está pronta e em local seguro, diz MEC


Candidatos podem pedir reembolso por gastos com Enem


Polícia Federal indicia dois por vazamento do Enem


Apesar de vazamento, universidades reiteram apoio ao Enem

Sem mais artigos