A Coreia do Norte disparou nesta terça-feira (26) dois novos mísseis de curto alcance em sua costa leste em direção ao Mar do Leste (Mar do Japão), segundo fontes oficiais sul-coreanas citadas pela agência Yonhap.

O lançamento segue ao teste nuclear realizado na segunda-feira (25) pelo regime comunista norte-coreano e ao posterior disparo de três mísseis de curto alcance, de cerca de 130 quilômetros.

Fontes sul-coreanas tinham assinalado hoje à Yonhap que a Coreia do Norte preparava em sua costa ocidental o lançamento de novos mísseis KN-01, similares aos Silk Worm e com um alcance máximo de 160 quilômetros.

A Coreia do Norte proibiu a circulação de navios entre 25 e 27 deste mês em uma região concreta do litoral ocidental da província de Pyongan do Sul, o que gerou as especulações.

Fontes da defesa sul-coreana consideram que a Coreia do Norte tem no total cerca de 800 mísseis, entre eles alguns de longo alcance Taepodong, como o que lançou em 2006.

O regime comunista norte-coreano realizou na segunda seu segundo teste nuclear, depois do de outubro de 2006, e em seguida disparou três mísseis de curto alcance, no que assegura ser uma resposta à condenação que o Conselho de Segurança da ONU fez de seu lançamento de um foguete de longo alcance no dia 5 de abril.

O Conselho de Segurança condenou o novo teste nuclear norte-coreano e disse que avaliará em breve a imposição de sanções e uma nova resolução.

Críticas

O lançamento dos dois mísseis foi seguido de diversas críticas da comunidade internacional.

Em protesto, autoridades japonesas interrromperam o Relógio da Paz, que mede os dias sem testes nucleares no mundo.

Esta foi a 12ª vez que o relógio foi interrompido, desde que começou a funcionar em 2001 em Hiroshima, que em 1945 se transformou, junto com Nagasaki três dias mais tarde, nas únicas cidades bombardeadas com uma bomba atômica.

Tinham se passado 960 dias desde a última vez que o Relógio da Paz foi interrompido, na última ocasião também foi por causa de um teste nuclear norte-coreano, o primeiro realizado pelo regime comunista, em 9 de outubro de 2006.

Já os Governos de Ásia e Europa condenaram o teste nuclear realizado pela Coreia do Norte, durante a reunião ministerial do Fórum Ásia-Europa (Asem), que reuniu cerca de 30 chanceleres em Hanói nos últimos dois dias.

“Levando em conta a necessidade de manter a paz e a estabilidade na região e o regime internacional de não-proliferação, os ministros condenam o teste nuclear realizado pela Coreia do Norte no dia 25 de maio, que constitui uma clara violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU”, diz o comunicado assinado pelos presentes.

Coreia do Norte lança outros dois mísseis de curto alcance

Sem mais artigos