(Por Gabriel Codas) Para o presidente dos grupos Renault e Nissan, Carlos Ghosn, a crise no setor automobilístico deve ser longa e as vendas de veículos só devem retomar o patamar registrado em 2007 dentro de sete anos. Naquele ano, foram comercializados 69 milhões de unidades em todo o mundo.

“A demora pode até ser maior. O problema não está relacionado somente à recessão. Se fosse isso seria em menor proporção, porque somos uma indústria cíclica. A questão é que existe uma crise de crédito e muita volatilidade nas moedas estrangeiras”, disse Ghosn em entrevista coletiva em um evento na Arábia Saudita.

Para enfrentar o cenário, a Toyota, maior fabricante mundial de automóveis, irá reduzir sua produção para menos três milhões de veículos no Japão. Esse é o limite mínimo para manter o emprego dos 70mil trabalhadores da fábrica no país.

Sem mais artigos