O líder espiritual tibetano, o Dalai Lama, fez nesta segunda-feira uma chamada à paz diante de 30 mil seguidores, em sua visita ao estado indiano de Arunachal, no nordeste do país, sobre o qual a China faz reivindicações territoriais.

O Dalai Lama chegou ontem à cidade de Tawang, em Arunachal, e hoje abriu um seminário de três dias, no qual pronunciará discursos religiosos.
“A compaixão e a paz são duas palavras que devem ser lembradas por todos”, declarou o Dalai Lama, citado pela agência Ians.

O líder budista inaugurou um hospital em Tawang, que, segundo suas próprias palavras, servirá para atender “as necessidades médicas dos aldeões”.

Após finalizar seu seminário na quarta, o Dalai Lama irá para as cidades de Bomdilla, Dirang e Itanagar.

O líder budista esclareceu ontem que sua visita é não tem caráter política, depois que o Ministério de Exteriores chinês o chamou de “separatista” e o acusou de dizer “mentiras que danificam as relações entre China e outros países”.

Em Nova Délhi, o vice-ministro de Assuntos Exteriores indiano, Shashi Tharoor, se limitou a dizer à imprensa que “o Dalai Lama é livre para viajar a qualquer lugar da Índia”, segundo a Ians.

Sem mais artigos