Pra quem tem um pouquinho mais de idade e lembra do gameshow <i>Garganta e Torcicolo</i>, que era apresentado na MTV por <b>João Gordo</b>, provavelmente se lembra do jingle “Dona Laura Cabeleireiros”.

A Dona Laura em questão é a muito simpática mãe do apresentador, que nos recebeu em sua casa na região do Tucuruvi para uma conversa muito divertida sobre como é ser mãe de uma figura como o líder dos <b>Ratos de Porão</b>.

Na sala da casa da Dona Laura, conversamos com ela sobre a infância do apresentador ali mesmo no pacato bairro de Vila Gustavo. 

<b>Virgula – Primeiramente obrigado por me receber aqui na sua casa Dona Laura. É um prazer conhecer a senhora</b>

<b>Dona Laura</b> – Muito obrigado, eu é que agradeço pela visita.

<b>Virgula – Então conta pra gente como o João Gordo era quando era criança? Como foi a vida dele na escola?</b>

<b>Dona Laura</b> – Ah, o João era muito sapeca quando era criança. Era um menino muito alegre e muito vivo, que gostava de imitar o Roberto Carlos (risos). Desde pequenininho que ele gostava de imitar o Roberto Carlos. A primeira música que ele aprendeu foi <I>Que Tudo Mais Vá Pro Inferno</i>. Ele gostava muito também de jogar futebol na rua, apesar de eu e do pai dele não o deixarmos fazer isso. Ele deu um trabalho pra nós!

<b>Virgula – E as aulas? Ele dava trabalho pros professores também?</b>

<b>Dona Laura</b> – Olha, tem até uma história boa sobre isso. Quando ele estava no ginásio ele estudou ali no Colégio Davi Eugênio e eu tinha um salão na no clube Tietê. Ele já era grandinho então eu deixava o uniforme dele prontinho e ia trabalhar. Acontece que teve uma semana em que o Diretor mandou uma carta pra casa que não chegou, mas eu descobri que ele andava matando aula quando eu vi a roupa dele lá dobrada em um dia que cheguei cedo.

<b>Virgula – Ai pegou ele no pulo…</b>

<b>Dona Laura</b> – Foi isso mesmo(risos).  Ele esqueceu de por a roupa e se sujar. Ai eu perguntei: “Você não foi à escola João?” e ele disse “Claro que fui”, mas ai eu falei do uniforme pra ele e ele  acabou confessando que tinha ficado em casa pra ver um filme do Mazzaropi (mais risos). Depois o vizinho ainda disse pra mim que o professor tinha mandado algumas cartas antes disso, mas que o João tinha rasgado todas. Fui lá na escola pra falar com o diretor, que tava louco da vida, pra ele não expulsar o João. Tive que colocá-lo de castigo né?

<b>Virgula – Ai não teve jeito pra ele…</b>

<b>Dona Laura</b> – Pois é… Depois disso eu o coloquei no Colégio Dom Bosco, que era semi-integral. Só assim pra eu poder trabalhar em paz (risos).

<b>Virgula – Na época do <i>Garganta e Torcicolo</i>, vira e mexe o João falava sobre seu salão de cabeleireiro na Avenida Júlio Buono. A senhora ainda trabalha lá?</b>

<b>Dona Laura</b> – Não, não mais. Tive que fechar depois que eu fiquei doente (A Dona Laura teve um câncer de mama, que felizmente foi curado). Mas eu gostava muito de lá. Fui pra lá depois de trabalhar dez anos no clube do Tietê e ainda passado por mais alguns outros lugares.

<b>Virgula – E depois que ele começou a promover seu salão no programa aumentou o número de clientes?</b>

<b>Dona Laura</b> – Aumentou bastante (risos). A molecada que gostava do programa vivia passando por lá e perguntando como eu estava e querendo saber dele… Alguns até cortavam o cabelo (mais risos). Fora o pessoal do bairro né, que já me conhecia como “a mãe do gordo”.

<b>Virgula – Uma coisa que dá pra notar é que, apesar da imagem que o João passa na televisão, ele é uma pessoa bastante reservada não?</b>

<b>Dona Laura</b> – Sim, bastante. Ele é bastante família e quando ele está aqui ele não fala daquele jeito que você vê na TV. Ele sempre tenta respeitar a gente o máximo possível. Principalmente na frente das crianças dele. As vezes as crianças até corrigem, ele e falam que não gostam quando ele fala besteira. A filha dele até briga com ele quando ele fala muita besteira dizendo que os amiguinhos da escola ficam brincando com ela que o João fala palavrão (risos).

<b>Virgula – E tem algum presente de dia das mães que a senhora tenha recebido dele que a senhora não esqueceu mais?</b>

<b>Dona Laura</b> – Ele já me deu muitos, mas meu favorito é esse relógio dourado que ele me trouxe dos Estados Unidos quando tava viajando com os <b>Ratos de Porão</b>. Se fosse de ouro, eu tava feita (gargalhadas).

<b>Virgula – Pra encerrar então, a senhora acha que mãe de roqueiro sofre muito mais do que mãe comum?</b>

<b>Dona Laura</b> – Ah como sofre viu? (risos) Há um tempão atrás eu li um artigo da Marta Suplicy que falava a mesma coisa. Eu sofri muito com o João e ele sabe, tanto é que ele fala. Mas depois que ele casou e teve os filhos ele endireitou de vez. Se recuperou dos problemas que ele tinha e graças a Deus ta preocupado com ele e com a família dele. Impossível me deixar mais feliz do que com isso.

Dia das mães: Virgula visita Dona Laura, mãe do apresentador João Gordo

Sem mais artigos