Neste sábado (29), é celebrado o Dia Nacional do Combate ao Fumo, causa que vem ganhando maior destaque nesses últimos tempos, ainda mais depois da aprovaçao da Lei Antifumo. São Paulo foi o primeiro Estado a adotar a medida, em seguida vieram Rio de Janeiro e Minas Gerais, além de cidades como Belém e Curitiba.

Entretanto, a lei tem causado um trabalho extra para os donos das casas noturnas e também para seus frequentadores-fumantes. São Paulo, como o primeiro Estado a aprovar a Lei Antifumo, vai servir de modelo para as outras regiões brasileiras. Na grande metrópole, as alternativas não variam muito e os donos das casas noturnas e bares estão fazendo o que podem para não causarem muitos transtornos durante a noite.

No CB, clube rocker da Barra Funda, o cliente tinha que acertar a sua comanda cada vez que quisesse sair da casa para fumar; assim como na D-Edge, conhecida balada de música eletrônica de SP. Com uma pulseira para identificar que já pagou a sua entrada, o fumante poderia entrar novamente e ganhar uma nova comanda. Mas agora, para a alegria de muitos, a casa ganhou uma área para fumantes.

“A gente já havia feito uma reforma com esse espaço. Só que com a Lei Antifumo ele não estava sendo usado. Mas a fiscalização veio aqui na semana passada e liberou essa área”, diz o DJ Tchelo Strike. “O espaço é aberto e cabe uma 20 pessoas”, explica o residente. Tchelo também conta que o esquema de acertar a comanda cada dez que o cliente quisesse fumar “virou uma confusão só”, pois acumulava as pessoas que queriam ir embora e as que queriam fumar na fila do caixa.

Em outra casa noturna bastante conhecida dos paulistanos, o Glória, a fiscalização também liberou uma área para os fumantes, afirma a assessoria da balada. A casa sempre teve uma ampla varanda e agora será possível voltar a fumar na área.

Já no também bombado Vegas Club, a solução foi deixar as pessoas saírem em rodízio e com a supervisão de seguranças, explica Facundo Guerra, um dos sócios da casa. “Pode sair 20 pessoas por vez”, conta. O Sonique, localizado no bairro Jardins, também tinha adotado o esquema de acerto de comandas. Entretanto, resolveu seguir o exemplo do Vegas e permitir as pessoas saírem do local para fumar com a supervisão dos seguranças, explica a assessoria da casa.

O Tubaína Bar, nova casa paulistana, também permite seus frequentadores saírem para fumar sem que tenham que acertar suas comandas todas as vezes. “Temos um segurança na porta e as pessoas podem sair para fumar com copo descartável”, explica Veronica Goyzueta, dona da casa. “Pensamos em colocar um easyline para que as pessoas não se afastem muito do bar também”, completa.

FUMANDO MENOS

Com tantas complicações para sair da casa noturna e fumar um cigarro, muitas vezes os clientes estão fumado bem menos durante a noite. “Antigamente, costumava fumar quase um maço por noite. Agora, saio no máximo umas quatro vezes para fumar”, conta Deborah Pinto, 22 anos.

O publicitário Renato Silveira, 23 anos, também diminuiu a dose de cigarros por balada. “Com a lei, percebi que posso curtir a festa sem fumar tanto assim e acabei transferindo isso para o meu dia-a-dia”, conta.

Sem mais artigos