As produções musicais no Brasil são inúmeras e nos mais variados estilos. Melhor ainda é quando os artistas da nova geração usam de instrumentos tecnológicos para dar uma nova cara à música nacional. O remixes das canções brasileiras bombando nas rádios representam a sonoridade do novo século. A partir da adição de efeitos por meio de softwares especializados e do talento e bom senso dos DJs, bons trabalhos foram realizados e classicões da MPB voltaram à tona para os mais jovens que desconheciam as memoráveis canções – além dos novos sucessos que passaram a ser lançados na versão original e remixada.


 


A cantora Fernanda Porto ficou inicialmente conhecida no País com sua versão para Só Tinha de Ser Com Você, canção da década de sessenta, eternizada na voz de Elis Regina e composta pelo mestre Tom Jobim em parceria a Aloysio de Oliveira. O toque da batida do Drum ‘n’ Bass que o DJ Patife, responsável pelo remix, deu à canção de Porto garantiu que o som se inserisse nas pistas no início dos anos 2000. A música, que era até então tocada apenas em momentos românticos entre casais ou em reuniões de amigos, passou a fazer parte da trilha sonora dos amantes da noite. “Optei pelo Drum ‘n’ Bass por ele ser sincopado, com células rítmicas que tem um pouco a ver com MPB e com estilos relacionados a ela”, disse Fernanda em entrevista ao Virgula, sobre o porquê de ter escolhido esse tipo de batida eletrônica.



 


Formada em música, Porto sempre esteve bastante ligada à MPB e à relação dela com a tecnologia. De acordo com a cantora, desde a formação de sua primeira banda, nos anos 80, já usava o sequenciador (um computador que auxilia a produção musical) para compor. Mas foi em 1993, no projeto MIDI do Sesc Vila Mariana – cujo objetivo era chamar a atenção para essa mistura entre os recursos tecnológicos e a música –, que começou a usar o aparelho no palco. Anos mais tarde, quando procurava uma sonoridade para sua carreira, descobriu o Drum ‘n’ Bass e a simpatia pelo estilo foi imediata. “Me apaixonei por esse ritmo. Como não havia muita coisa por aqui, passei seis meses em Londres escutando e pesquisando”, conta. O DJ Patife é um de seus grandes parceiros nessa empreitada de produção de versões eletrônicas da música nacional. Outra canção conhecida da cantora é “Sambassim”, na qual fala justamente de como ficaria juntar o samba ao eletrônico.


 


Para Fernanda, a mistura é boa justamente por se adequar ao som das baladas. “O Drum ‘n’ Bass vai no dobro do tempo que, por exemplo, a Bossa Nova, o que garante o agito. Não é algo parado”, sobre um dos diferenciais que o mix proporciona. A compositora e multi-instrumentista encontrou nessa junção a possibilidade de inovar e inserir seu som nas pistas de dança, sem precisar se distanciar da musicalidade nacional. No entanto, na opinião da cantora, essas alterações nos clássicos brasileiros só garantiram mais fãs porque houve um grande cuidado na hora de trabalhar e remixar as canções. “O artista tem que tentar manter a constituição principal da música inalterada, a harmonia correta”, explicou. “E sempre fiz isso. Foi o que me favoreceu a agregar fãs, desde os novos, até os mais velhos que vivenciaram a Bossa Nova.”


 


Deeplick, DJ bastante procurado por artistas para remixar suas canções, concorda que é necessário cautela na hora de mexer nas músicas. Responsável por conhecidas versões eletrônicas executadas nas rádios de todo o Brasil, entre elas Burguesinha e Mina do Condomínio, ambas compostas por Seu Jorge, fala de uma possível perda da sonoridade brasileira se não houver o cuidado. “O remix deve ser moderno, sem perder a essência da própria música. Burguesinha, por exemplo, tem percussões de samba”, disse. Para ele, os remixes representam o pop feito de maneira eletrônica. “Se a sonoridade brasileira for mantida, as pessoas vão gostar muito mais. Devo o sucesso desses remixes a isso.” O cara é responsável por 120 remixes do som brazuca, tendo trabalhado, além do já citado Seu Jorge, com Marisa Monte e Vanessa da Mata.


 


Homem-mistura


 


Esse é o grande nome dos remixes e mash-ups. Formado na Berklee College of Music, importante instituição norte-americana onde se formaram grandes figuras da cena musical, como Quincy Jones, João Brasil definitivamente passa longe do preconceito musical. “Escuto de tudo. Calypso a Guinga, de Luiz Caldas a Hermeto Pascoal, de Daniela Mercury a Moacir Santos, de Claudinho e Buchecha a Tom Jobim”, exemplifica. O gosto dele expressa bem o que é a música brasileira e explica bastante o trabalho pelo qual ficou famoso.


 


O cara é conhecido por misturar figuras que simbolizam o mais cult e o mais brega brasileiro. Em Baile Parangolé, por exemplo, produz um mash-up (que é, grosso modo, colocar trechos de canções variadas em uma música só) de alguns nomes como Caetano Veloso, João Donato, Mutantes, Vinicius de Moraes, juntamente a Ratos de Porão e a Calypso, Daniela Mercury e Luiz Caldas. Segundo ele, a canção é uma homenagem à Veloso e ao Movimento Tropicalista. Sobre a resposta do ícone da música nacional, João falou que Caê ouviu Baile Parangolé. “Ele me achou uma gracinha (risos)”, disse ao Virgula.


 


Essa mistura mostra bem o que é, para ele, a cena musical no Brasil desde sua formação. “O mais bonito da produção nacional é o poder de síntese”, e deixa claro: “Gosto de misturar ‘alta’ e ‘baixa’ cultura, pois não acredito nessas barreiras.” Por ouvir de tudo, trabalha sem preconceitos e sem a preocupação em agradar os que escutam somente o que intelectuais consideram “boa” música. “Para mim todas tem a mesmíssima importância. Eu incluo todo tipo de música no meu trabalho”.


 


O interesse em fazer mash-ups apareceu quando dois amigos jornalistas apresentaram a linguagem, alegando que ela e João tinham tudo a ver. “Comecei a fazer e não parei mais”, diz o DJ e produtor. “É muito interessante poder misturar músicas tão diferentes”. Contudo, seu novo álbum, Tropical Baile Tech, não será só de mash-ups como o anterior, Big Forbidden Dance. O novo disco contará com músicas próprias e remixes. “Não quero me prender a nenhum formato nesse trabalho, quero ter a liberdade de fazer o que quiser”, justifica.


 


Segundo João, as produções são realizadas no computador de seu estúdio. “Às vezes gravo guitarras, escaleta, violão, voz… Mas o computador é meu principal instrumento”, explicando como se dá a produção de seus remixes. “Eu passo o dia procurando músicas interessantes para remixar e usar”. O tempo para concluir a produção, usando softwares como Protools, Reason e Ableton Live, varia de 15 a 30 dias. Para ele, remix não é mais interessante que mash-up, ou vice-versa. “Se o resultado final fica bom para mim, é isso o que importa.”


 


Sobre os remixes e os cuidados a serem tomados nesse tipo de trabalho, João Brasil vai além dos outros entrevistados falando sobre a questão ética de o DJ compreender que, se quiser ganhar dinheiro com a canção de outro, deverá procurar a editora ou a gravadora do artista. “Acho legal, mesmo não ganhando dinheiro com isso, como é meu caso, dar crédito a todas as músicas usadas”, diz o produtor. Para ele, há uma colaboração para a própria MPB, uma vez que algumas pessoas acabam conhecendo certas músicas graças aos remixes.


 


A partir dessa visão, considera, de certa forma, positivo o fato de remixes acabarem fazendo mais sucesso nas rádios do que suas versões originais. “Acho que foi um jeito da MPB se modernizar”, sobre o grande número de remixes de famosas canções nacionais. “Muitos jovens que ouviram pela primeira vez a música através de um remix, acabam procurando a versão original”. E completa: “Acho que esse movimento é mais a favor do que contra a própria MPB”.


 


E, João, qual é o toque especial que as batidas eletrônicas dão à música típica da MPB? “O toque da pista e da universalização da música brasileira para os jovens do mundo inteiro.”

"Eletrônico coro da cuíca": os remixes da MPB

Sem mais artigos