Sob uma iluminação em matizes de rosa e diante de uma platéia intimista
esperando para ser hipnotizada, a cantora Céu apresentou em São Paulo
o repertório de seu segundo álbum, Vagarosa.

Em Vagarosa, Céu
passeia com delicadeza e segurança por ritmos jamaicanos como dub e
reggae e pelo samba, flertando com influências (declaradas) de artistas
como Serge Gainsbourg e Betty Davis. E é ao vivo que a cantora e sua
competente banda mostram que é possível amalgamar diferentes estilos e
ainda assim conseguir apresentar um repertório homogêneo e criativo.

A
cantora, que recentemente fez uma turnê no exterior, retornou para o
Brasil mais segura: agora, Céu passeia com tanta tranqüilidade por
composições difíceis que cada nota ousada parece ser uma extensão
natural do show. Com sua dança característica, mais charmosa do que
propriamente sensual, Céu abriu sua apresentação com a peculiar
Espaçonave, apresentando ao público o primeiro convidado da noite:
Fernando Catatu, líder da banda Cidadão Instigado.

Céu seguiu com Cumadi, de Vagarosa, e duas músicas de seu primeiro
álbum, Malemolência e Lenda. Logo de cara, já foi possível perceber
que, ao vivo, embora a sonoridade dub e a aura espacial do álbum
continuem presentes, o espetáculo da cantora é muito mais dançante e
gingado. Em seguida, Céu protagonizou, sob as luzes
roxas dos holofotes, um momento mais introspectivo – deixando de lado o
gingado do samba, a cantora cantarolou os versos de Grains de Beauté,
que trouxe a influência de Serge Gainsbourg para perto e mostrou um
lado mais dramático de seu show.

Após Nascente e Cangote, Céu trouxe para o palco seu segundo convidado,
Rodrigo Campos
, que fez um dueto com a cantora em Vira Lata,
permanecendo com a banda até o final do show. Mas o ponto alto da
performance veio logo em seguida, quando Céu trouxe para o palco Thalma
de Freitas
e Anelis Assumpção para a faixa Bubuia – as três vozes,
potentes, conquistaram o público, e o palco logo se transformou em uma
roda de samba entre as três compositoras (que estão começando o projeto
Negresko Sis e prometem continuar se apresentando juntas).

Após performances impecáveis e emocionantes de Visgo de Jaca (de Rildo
Hora
e Sérgio Cabral) e Ponteiro, o medley de Papa e Cordão da Insônia
e o delicioso e atrevido cover de Two To Tango, de Ray Charles, Céu
encerrou a noite com duas pérolas: a música Rainha, que reuniu no palco
Rodrigo Campos, Fernando Catatau, Pupilo, Thalma de Freitas e Anelis
Assumpção, e o bis tímido, mas emocionante, que trouxe Rosa Menina
Rosa
, cover da canção de Jorge Ben Jor.

Nesta primeira apresentação da turnê de Vagarosa em São Paulo (os shows
acontecem também amanhã e domingo) Céu provou que chegou com tudo em
seu segundo álbum – e que, ao vivo, suas composições só tendem a
melhorar e a conquistar ainda mais o público. O único porém da noite
(que não chega a ser um defeito) foi uma certa sensação de
incompletude: mesmo que a acústica e a infra estrutura do Auditório
Ibirapuera sejam impecáveis, Céu é uma cantora que convida o público a
sambar com ela; tarefa impossível para quem precisa ficar sentado.

Setlist:

Espaçonave
Cumadi
Malemolência
Lenda
Grains de Beauté
Nascente
Cangote
Vira Lata
Visgo de Jaca (de Rildo Hora e Sérgio Cabral, versão feita a partir da interpretação de Martinho da Vila)
Bubuia
Ponteiro
10 Contados
Papa + Cordão da Insônia
Sonâmbulo
Two To Tango (cover de Ray Charles)
Rainha
Rosa Menina Rosa (cover de Jorge Ben Jor, interpretado no álbum Vagarosa por Céu e o grupo Los Sebosos Postiços)

Sem mais artigos