O cancelamento do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pegou os estudantes de surpresa e deixou muitas dúvidas. Mais de 4 milhões de participantes eram esperados nesse fim de semana para encarar uma maratona de dez horas de prova. O cancelamento vai atrasar o processo seletivo de, pelo menos, 200 mil vagas no ensino superior.


 


A partir de 2009, o Enem passará a integrar o processo seletivo de mais de 40 universidades federais, além de ser pré-requisito para quem quer disputar uma bolsa do Programa Universidade para Todos (ProUni). Segundo o ministro da Educação, Fernando Haddad, o Enem ajudará a selecionar 50 mil estudantes em universidades federais e mais de 150 mil para bolsistas do ProUni.


 


Alunos e professores falaram sobre as princicipais dúvidas em relação às alterações que deverão ser feitas no exame. Confira as respostas abaixo:


 


Qual será a nova data de aplicação do Enem?
A nova prova será em novembro. Por enquanto, o Ministério da Educação e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), que é responsável pela prova, ainda não definiram uma data.


 


Será preciso fazer nova inscrição? O MEC vai reabrir a inscrição para quem não fez?
Não. O processo de inscrições está encerrado, com 4,1 milhões de participantes. Para quem já estava inscrito, não será necessário realizar o processo novamente.


 


Como os estudantes serão informados da nova data?
Quando for definida a nova data, o Inep vai informar os estudantes por meio da página do Enem na internet e também pelo telefone celular informado no ato da inscrição.


 


Como fica a situação dos estudantes que iriam fazer a prova em outras cidades?
Ainda não se sabe se os locais de prova serão mantidos. O candidato precisa aguardar a reorganização da logística de aplicação das provas.


 


O cancelamento vai atrapalhar o cronograma dos vestibulares nas universidades que usam o Enem como primeira fase?
De acordo com o ministro Fernando Haddad há uma folga no cronograma do Enem, mas é possível que alguns calendários tenham que ser alterados. Isso só poderá ser confirmado após a definição das datas.


 


Está sendo negociado com as universidades que não usam o Enem um ajuste nos calendários de vestibulares para não prejudicar os estudantes que também vão fazer essas provas?
O ministro Fernando Haddad disse que o MEC vai levar em consideração o calendário dos vestibulares e dos feriados religiosos para que haja o menor prejuízo possível aos estudantes. Mas como a data da prova não foi definida, não é possível prever se haverá choque de datas entre as provas.


 


Existe algum telefone para que os estudantes possam tirar suas dúvidas?
Sim. O estudante pode ligar para o número 0800 61 61 61 ou enviar um e-mail para o endereço faleconosco@inep.gov.br.


 


Há a perspectiva de terceirização da prova? Caso haja a terceirização, como será a seleção da instituição?
A impressão, distribuição e aplicação do Enem já é terceirizada. Ainda não se sabe se empresa que venceu a licitação dessa edição será mantida após o vazamento da prova. Caso seja constatado que a culpa pela fraude é da empresa, pode ser feito uma contratação emergencial de outro prestador de serviço. Nesse caso, não será feita licitação em função da urgência no processo.


 


Como a prova será adiada em 45 dias, o resultado também será? O início dos semestres letivos também serão adiados em 45 dias?
O resultado do Enem, que estava previsto para dezembro, será adiado em um mês. Ainda não é possível saber se os semestres letivos nas universidades que adotam o exame também sofrerão atrasos. A definição dos calendários letivos fica a cargo das instituições de ensino superior.

Sem mais artigos