Estudantes da USP envolvidos no protesto e conflito da tarde de terça-feira (9) passaram a noite acampados no prédio da Faculdade de História. Eles querem que o local vire sede do movimento que pede a saída da Polícia Militar do campus da USP. A PM já está no campus há nove dias.

O confronto de ontem deixou o saldo de cinco alunos e cinco policiais feridos. O fotógrafo da Folha de S. Paulo, Danilo Verpa, foi agredido por golpes de cassetete por um PM, depois que teria fotografado um jovem sofrendo agressão da polícia. Segundo disse à Veja Online, “Um policial ainda disparou gás de pimenta sobre mim e outros dois fotógrafos”. No UOL, há uma foto de Danilo mostrando um vergão vermelho no ombro.

A PM disse que vai apurar o caso, mas disse que a princípio a culpa é do fotógrafo, por estar num local de risco.

A madrugada transcorreu tranquilamente, segundo os estudantes declararam à imprensa. Uma fogueira foi improvisada, houve mutirão para compra de comida e os alunos dormiram no Crusp (Conjunto Residencial da USP) e na rua.

A reitoria da USP começou o dia vigiada por 28 homens da PM.

Estudantes fazem vigília na USP; PM teria agredido fotógrafos

Sem mais artigos