Em entrevista coletiva nesta segunda-feira (03), o diretor-executivo da agência de turismo Tia Augusta, Luis Felipe Fortunato, disse que na mesma excursão que estava a adolescente Jacqueline Ruas também tinha um garoto de 11 anos infectado pelo vírus A(H1N1), da gripe suína.

Conforme informado pelo diretor, o menino teve resultado positivo no teste aplicado em Orlando, nos Estados Unidos, mas apresentou melhora rápida após 48 horas afastado do grupo de turismo. Fortunato ainda falou que, com quadro gripal, Jacqueline recebeu atendimento médico duas vezes, mas o resultado de seu teste deu negativo.

Ainda conforme o diretor, ela chegou a ser orientada a tomar Tamiflu, antiviral receitado em casos de gripe suína.

Também nesta segunda, o atual diretor da Anvisa, Agenor Álvares, alertou que 50% dos resultados negativos em testes rápidos para diagnosticar a gripe suína são “falsos negativos” – incapazes de revelar a existência da doença.

Jacqueline Ruas faleceu por causa de uma parada respiratória neste domingo (02), em um voo entre o Panamá e o aeroporto de Cumbica, em Guarulhos (SP), após passar mal no avião, quando retornava de uma excursão à Disney World, nos Estados Unidos.

Segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), o voo chegou ao Brasil às 5h45 de hoje e Jaqueline Soares já estava morta. A causa foi pneumonia, diagnosticada no Instituto Médico Legal (IML) de Guarulhos, para onde o corpo foi removido, de acordo com a Secretaria de Segurança de São Paulo.

Sem mais artigos