Para quem acreditava que o Twitter era uma grande futilidade, um mero espaço para as pessoas apenas dizerem “o que estão fazendo”, os protestos relacionados às eleições presidenciais do Irã, que surgiram dentro do microblog, provocaram o contrário.


 


Após a repercussão mundial que os relatos publicados pelos twitteiros iranianos apresentaram, o país bloqueou o seu acesso. O Irã talvez seja o exemplo mais importante de mobilização política que tenha ocorrido no Twitter até agora. Mas não é o primeiro.


 


O Virgula selecionou outras importantes manifestações de cunho político que bombaram dentro da ferramenta social.


 


– O músico Roger, do Ultraje a Rigor, lançou um abaixo-assinado com reivindicações ao governador de São Paulo, José Serra. Colheu milhares de assinaturas. Serra enviou um e-mail depois ao vocalista.


 


– Durante os ataques a Mumbai, no final do ano passado, o Twitter se revelou um importante canal de cobertura jornalística: fotos e notícias dos atentados eram publicados em primeira mão dentro do microblog.


 


– Durante as terríveis enxurradas que varreram o Estado de Santa Catarina, o Twitter foi um importante meio para as pessoas se mobilizarem e ajudarem aqueles que ficaram sem casa.


 


– Jovens da Moldávia, na Europa Oriental, usaram o canal para se mobilizarem contra as eleições presidenciais, que colocaram um governo comunista no poder. Em abril, mais de 10 mil pessoas protestaram na praça da capital Chisinau. O Parlamento foi invadido.


 


– A fim de evitar manifestações dentro da rede, a China bloqueou o Twitter dias antes do 20º aniversário da violenta repressão às manifestações pró-democracia na Praça da Paz.


 


– Para driblar a censura, o Twitter também foi usado pela população de Mianmar (antiga Birmânia), que mostrou ao mundo os diversos confrontos entre policiais e civis dentro do País.



 

Exemplos de mobilizações políticas fomentadas pelo Twitter

Sem mais artigos