O Tribunal Regional Federal do Rio de Janeiro ordenou nesta quarta-feira (23) que a família de Sean Goldman o entregue “voluntariamente” a seu pai David Goldman até amanhã às 9h, informaram fontes oficiais.


 


O magistrado Paulo Espírito Santo explicou que o prazo inicial dado à família era de 48 horas desde a decisão ditada pelo tribunal na semana passada e que esse tempo foi interrompido na quinta-feira (17) quando o Supremo Tribunal Federal (STF) ordenou que a entrega do menino de nove anos fosse interrompida de forma cautelar.


 


O tempo voltou a ser contado a partir da noite de terça-feira (22), quando o presidente do STF, Gilmar Mendes, voltou a ordenar que a custódia de Sean fosse passada para seu pai, em uma sentença à qual não cabe apelação.


 


Espírito Santo concedeu uma prorrogação de quatro horas aos avós de Sean, até as 09h de quinta-feira (24), para “proteger o menor” e não obrigá-lo a “acordar muito cedo”, segundo STF, em comunicado.

Sem mais artigos