O líder cubano Fidel Castro qualificou hoje (10) como “positiva” a concessão do Prêmio Nobel da Paz ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e a considerou uma crítica à “política genocida que seguiram muitos presidentes desse país”.


 


Em um novo artigo de suas “Reflexões” divulgado pela imprensa oficial, o ex-presidente, de 83 anos, adverte que nem sempre compartilha as posições que outorgam o Nobel, mas que se vê “obrigado a reconhecer” que nestes momentos é “uma medida positiva”.


 


“Muitos opinarão que (Obama) não ganhou ainda o direito a receber tal distinção. Desejamos ver na decisão, mais que um prêmio ao presidente dos Estados Unidos, uma crítica à política genocida que seguiram não poucos presidentes desse país, os quais conduziram o mundo à encruzilhada onde hoje se encontra”, afirma Castro.


 


O ainda primeiro-secretário do governante Partido Comunista de Cuba acrescenta que o Nobel a Obama é “uma exortação à paz e a busca de soluções que conduzam à sobrevivência da espécie”.


Segundo Castro, “compensa o revés que sofreu em Copenhague ao perder a disputa da sede das Olimpíadas de 2016, que provocou ataques irados de seus adversários de extrema direita”.

Fidel Castro acha positiva escolha de Obama para Nobel da Paz

Sem mais artigos