Até o dia 20 de dezembro, em evento que integra o calendário oficial do Ano da França no Brasil, o mestre francês da fotografia Henri Cartier-Bresson será homenageado em uma mostra que começa nesta quinta-feira (17) no SESC Pinheiros.


 


A exposição traz 133 de suas principais fotografias e ainda marca o lançamento do livro Henri Cartier-Bresson: fotógrafo, lançado em 1979 e que faz uma síntese da obra do artista em 150 fotos.


 


Além das fotos de Bresson, a mostra também exibe a exposição paralela Bressonianas, que explica como o francês influenciou os fotógrafos brasileiros. O evento ainda traz filmes sobre o artista, como a entrevista A Aventura Moderna: Henri Cartier-Bresson, de 29 minutos e realizada por Roger Kahane.


 


Mas para compreender a obra deste grande artista, nada melhor do que ouvir a opinião de outros importantes fotógrafos, que falaram ao Virgula o que acham da obra de Bresson e como esse artista os influenciou:



“Henri Cartier-Bresson  é um poeta. Faz poesia através da câmera fotográfica. Descomplicado para falar, para fotografar, para pintar, para viver. Com seu estilo intimista, ele desprezava fotografias arranjadas e cenários artificiais. São momentos que poderiam ser repetidos ad infinitum, contrariando a máxima do ‘instante único’”, Fabio Motta.



“Cartier-Bresson sempre me impressionou com sua arte, nas suas composições perfeitas e no seu preto e branco atemporal. Será sempre referência para a fotografia”, Reinaldo Coser.



“Parece que existe uma grande magia que vem da França, não sei bem o porquê. Adoro filmes franceses, tinha época que ia ao cinema e via um seguido do outro. O mesmo digo deste grande fotógrafo, que inspirou a maioria dos fotógrafos contemporâneos. mas o que encanta realmente na foto dele é o uso das cores existentes no preto e branco”, Ida Feldman.



“Bresson deixou um importantíssimo legado para a cultura, elevou a fotografia ao nível da arte e muitos se inspiram em seus trabalhos. Ver as imagens de Bresson é viajar num espaço tão cotidiano, porém imperceptível aos olhos do comum. As cenas estão ali, mas quem as vê? Somente Bresson”, Claudinei Nakasone.



“Henri Cartier Bresson não foi o único fotógrafo a construir em nosso imaginário coletivo o conceito de “instante decisivo”, que até hoje se confunde com o que é uma boa fotografia autoral, mas certamente deixou o maior legado de todos, em imagens e palavras. Seus “instantes decisivos” expressam as grandes emoções da humanidade no século XX, usando metáforas, rimas e contrapontos visuais preciosamente embalados em um desenho geométrico perfeito”, Salomon Cytrynowicz.



SOBRE BRESSON



Henri Cartier-Bresson (1908-2004) é  um dos mais representativos fotógrafos da história. Começou a fotografar em 1931, influenciado pelo surrealismo e ganhou notoriedade ao captar imagens tanto do cotidiano das ruas quanto alguns dos acontecimentos mais marcantes do século XX. Criou, juntamente com outros profissionais, a agência Magnum, em 1947, e seu trabalho é parâmetro e referência para fotógrafos de todas as gerações.
 
Serviço
Henri Cartier-Bresson: Fotógrafo
Onde: SESC Pinheiros. R. Paes Leme, 195 – Pinheiros – SP
Quando: Terças a sextas-feiras, das 10h30 às 21h30; sábados, domingos e feriados, das 10h30 às 18h30, até o dia 20 de dezembro
Quanto: Grátis
Informações: (11) 3095-9400

Sem mais artigos