A guerra entre Globo e Record invadiu os sets de gravação das filmagens de “Ó Pai, Ó”, seriado da emissora carioca, que conta a história de um pastor que desvia dízimos de evangélicos em seu benefício.

As gravações acontecem após extensas reportagens sobre denúncia acatada pela Justiça envolvendo a Igreja Universal do Reino de Deus.

Depois de ter virado evangélico, o personagem Queixão, interpretado por Matheus Nachtergaele, decide fundar a Igreja Evangélica do Tremor Divino. O nome faz referência à ameaça de desabamento do cortiço onde os personagens vivem, tema desta segunda temporada.

De acordo com o roteiro assinado por Guel Arraes, João Falcão e Adriana Falcão, o malandro Queixão, que se tornou o pastor Moisés, passa a desviar parte dos dízimos pagos pelos fiéis em benefício próprio.

Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, a Globo nega qualquer ligação entre as reportagens e o seriado. A emissora justificou que “Ó Pai, Ó” é uma produção independente e que seu roteiro já estava finalizado há meses.

O seriado deve ir ao ar em novembro deste ano.

Sem mais artigos