Para não contrariar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que obrigou a saída dos não-índios da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, e conter o descontentamento de um arrozeiro, o desembargador Jirair Meguerian, coordenador da operação de retirada dos não-índios, autorizou que seja feita a última parte da colheita de arroz na Fazenda Providência, de Paulo César Quartiero.

Como os não-índios estão impedidos de entrar na área desde o dia 30 de março, o desembargador adotou um esquema em que o governo e o rizicultor vão trabalhar juntos. Ou seja, o governo requisita as máquinas do fazendeiro e fica responsável pela colheita, mas quem opera as máquinas são os antigos empregados da fazenda. O trabalho, em uma área de 370 hectares, começa na quarta-feira e deve terminar dentro de dez dias.

Quartiero, por sua vez, não pode retornar à sua antiga fazenda. A Polícia Federal montou um posto no local, para acompanhar a colheita e evitar conflitos entre os índios pela posse daquelas terras. Meguerian optou pelo esquema misto para a colheita depois que Quartiero ameaçou colocar fogo nas máquinas se elas fossem requisitadas pelo governo e entregues a funcionários contratados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

“Ninguém lá do governo sabe colher o arroz, ninguém tem competência”, disse ele ao desembargador. “O senhor vai me condenar a perder o arroz e também o maquinário. Tenha a decência de não requisitar minhas máquinas.”


Governo fará colheita dentro de reserva para arrozeiro

Sem mais artigos