O movimento ambientalista Greenpeace apelou nesta segunda-feira (14) aos líderes mundiais na cúpula da ONU sobre mudança climática (COP15) a “escutar as pessoas e a ciência, para que consigam um acordo juridicamente vinculativo sobre o clima, que o mundo espera”.

No oitavo dia da conferência de Copenhague, o grupo ambientalista ressaltou que a semana começou com o panorama visto no fim de semana passado de centenas de milhares de manifestantes de 140 países que exigem “justiça climática”.

“Cerca de 120 chefes de Estado começarão a chegar com a meta de fechar um acordo para evitar uma mudança climática catastrófica. Esta semana, veremos se será feita história, para o bem ou para o mal”, disse o diretor de política climática do Greenpeace, Martin Kaiser.

Kaiser se perguntou se os dirigentes políticos terão a coragem e a visão para conseguir um acordo real sobre o clima ou se continuarão “jogando pôquer” com o planeta, com declarações grandiloquentes para seus cidadãos.

Mais de 110 líderes, incluindo o presidente Luiz Inácio Lula da Silva; o líder dos Estados Unidos, Barack Obama; o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, o e os líderes da União Europeia (UE), irão a Copenhague nos últimos dias da cúpula para elaborar um acordo sobre a redução de efeito estufa até 2050.

Sem mais artigos