A gripe  influenza A (H1N1), conhecida como gripe suína, não foi a causa principal da morte da menina de 11 anos ocorrida  na cidade de Osasco (SP), no dia 30 junho. Segundo o secretário de Saúde do estado de São Paulo, Luiz Roberto Barradas, a morte foi em decorrência de uma infecção generalizada por uma bactéria (pneumococo), causadora da pneumonia.


 


“A gente pode dizer é que a gripe ajudou. Mas o que determinou a morte da criança foi a infecção pelo pneumococo, bactéria que causa a pneumonia nas pessoas. A gripe deve ter reduzido o sistema imunitário dessa criança e isso fez com que ela conseguisse desenvolver a septicemia [infecção generalizada] e, consequentemente, ir a óbito”, disse ontem (10) o secretário em entrevista coletiva.


 


A presença da bactéria pneumococo e do vírus da gripe foi detectada nos exames de sangue realizados na menina. De acordo com o secretário, a vítima não apresentava os sintomas da doença, o que dificultou o diagnóstico.


 


“O que ela tinha era sintomatologia abdominal, dores no abdômen, vômitos, não tinha um quadro de gripe. Nós encontramos [o vírus] depois da morte. É um achado [ter descoberto] que ela teve gripe, mas dizer que foi a gripe a causadora do óbito é difícil”, afirmou.


 


O pai, a mãe e o irmão da menina estão contaminados também com a gripe suína. Mas somente o pai está internado por ser hipertenso.  


 


A família não informou se teve contato com pessoas com a doença ou se viajou recentemente a países com alto índice de pessoas contaminadas. O secretário disse que a vigilância epidemiológica do estado está investigando a origem do contágio.


 

Sem mais artigos