O Conselho de Guardiães, órgão que deve validar as eleições no Irã, descartou a anulação do pleito e vai oficializar nesta quarta-feira (24) o resultado da apuração aleatória de 10% das urnas da votação do dia 12 de junho.

Os três candidatos derrotados denunciaram supostas irregularidades em favor do vencedor, o ultraconservador presidente Mahmoud Ahmadinejad, e solicitaram a recontagem dos votos.

Os Guardiães admitiram em parte estas irregularidades ao aceitar na segunda-feira que em pelo menos 50 cidades do país houve mais votos que pessoas recenseadas.

No entanto, já advertiram que nem a apuração aleatória nem o fato de que haja mais votos vai variar substancialmente o resultado eleitoral, e que em nenhum momento cogitaram a repetição do pleito.

“Se tivesse ocorrido uma grave ilegalidade nas eleições, o Conselho teria anulado os votos nas urnas, colégios, distritos ou cidades afetadas, como já fez em outras ocasiões em eleições parlamentares”, disse o porta-voz do Conselho Ali Abbas Kadkhodaei.

“Não encontramos traços de fraude maciça. Não houve violações graves. Portanto, não há possibilidade de se anular o pleito”, ressaltou.

Deste modo, Mahmoud Ahmadinejad deve ter sua reeleição oficializada pelo Conselho dos Guardiães.

Os resultados eleitorais dividiram o país e evidenciaram as graves dissidências que existem dentro da cúpula do poder.

Por causa do resultado das eleições, o Irã se tornou palco de protestos e de enfrentamentos, que até o momento custaram a vida de pelo menos 20 pessoas, segundo números oficiais.

Posse

O Parlamento do Irã anunciou que a cerimônia de posse do presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, reeleito no pleito do último dia 12, acontecerá entre 26 de julho e 19 de agosto.

Segundo a agência iraniana “Mehr”, a mesa diretora do Parlamento acrescentou que os ministros do décimo Governo iraniano jurarão o cargo no mesmo dia que o presidente.

Guardiães descartam repetição do pleito e Ahmadinejad está reeleito

Sem mais artigos