Mais uma vez o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) volta a registrar baixa. No indicador de agosto a deflação foi de 0,36%, depois de já ter caído 0,43% em julho. Este foi o sexto mês de queda de preço neste ano. Mais uma vez, os preços no atacado tiveram maior influência no resultado.

Os números foram divulgados na manhã desta sexta-feira pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). A previsão do mercado era de uma deflação de 0,41% em média, sendo que as projeções variavam entre -0,22%  e -0,59%.

O Índice de Preços por Atacado (IPA), que é um dos componentes do IGP-M, caiu 0,61% no levantamento atual, sendo que em julho a deflação do componente foi de 0,85%. Os produtos agrícolas tiveram maior peso no resultado, reduzindo a queda que era de 1,89% no mês passado para 1,23% agora em agosto.

Se por um lado os preços no atacado diminuíram a queda, os preços ao consumidor tiveram uma redução na alta. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) avançou 0,16% em agosto, depois de ter subido 0,34%.

Os preços também subiram menos também no Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), que variou 0,01% nesta leitura, contra avanço de 0,37% em julho.

Agora, no acumulado do ano, o IGP-M tem perda acumulada de 2,02% e nos últimos 12 meses há um leve avanço de 0,71% nos preços.
O IGP-M é conhecido como “inflação do aluguel”, pois seu resultado serve para rever os preços dos contratos de locação de imóveis. Além disso, é utilizado no reajuste de tarifas públicas e planos de saúde, no caso de contratos mais antigos.

Sem mais artigos