Não adianta. É mesmo “panela velha é que faz comida boa” se tratando de música sertaneja. Quem foi ao Credicard Hall na noite da última sexta-feira (6), acompanhou um show cheio de sucessos antigos do cantor Leonardo.



A apresentação trouxe aos paulistanos a turnê do seu novo cd “Esse alguém sou eu”, mas não teve jeito: o público se animou de verdade e cantou até o fim as clichês “Pense em mim”, “Não aprendi dizer adeus”, “Talismã”, “Não olhe assim”, “Desculpe, mas eu vou chorar”, “Um sonhador”, “Cerveja”, “Entre tapas e beijos” e até a abusada “Cumpade e cumade”. O seu irmão Leandro foi lembrado com as juras de amor eterno da música “Eu juro” e com imagens dos dois no telão do palco.



“Eu gosto é de música caipira”. Essa foi só uma das inúmeras declarações que Leonardo fez ao público que não lotava o Credicard Hall. Durante a uma hora e meia de show, o cantor parou o espetáculo algumas vezes para conversar com seus fãs. Foram piadas, palavrões, lembranças da época de plantador de tomate e até discussão sobre qual time de futebol irá ganhar o campeonato brasileiro.



Já quase no fim, a música “Esse alguém sou eu” fugiu do que assistíamos até aquele momento. Mesmo sendo uma canção nova, ela dá nome ao último CD e DVD do cantor, o público fez questão de cantá-la em alto e bom tom.



“Eu vejo tanta gente feia por esse Brasil que até dói. Mas aí eu chego aqui em São Paulo e só vejo gente bonita. Dá até gosto de tocar aqui”. Se ele diz isso em todos os seus shows ou se é sincero, a gente não sabe. Mas a verdade é que Léo fez a noite de muitas pessoas que o tem como exemplo de humildade. “Inesquecível”, dizia um senhora atrás de mim.

Sem mais artigos