O líder do PSDB, Arthur Virgílio, terá que devolver R$ 210 mil ao
Senado. Ele confirmou em plenário que o funcionário Carlos Alberto de
Andrade Nina Neto, lotado em seu gabinete, recebeu salário do Senado
enquanto estava na Espanha fazendo um curso de teatro.

Segundo Arthur Virgílio, a dívida com os cofres públicos, por conta
desses pagamentos, já começou a ser paga. “Já paguei quase R$ 61 mil”,
disse o parlamentar acrescentando que outras outras três parcelas de R$
50 mil cada serão pagas até outubro.

O líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), reagiu  à decisão do PMDB de apresentar ao Conselho de Ética, na próxima semana, uma representação para que seja investigado. Ele qualificou a iniciativa de “retaliação do senador Renan Calheiros”. O parlamentar afirmou que conversará ainda hoje com o P-SOL para analisar se Calheiros não quebrou o decoro parlamentar ao ameaçar com representações senadores que defendem o afastamento de José Sarney da presidência do Senado.

“Isso, para mim, já configura quebra de decoro”, disse Virgílio à TV Brasil. O líder tucano ressaltou que vai continuar apresentando denúncias ao Conselho de Ética contra Sarney independentemente das “ameaças” do senador Renan Calheiros. “Estou investigando corrupção. Fui eu quem denunciou o Agaciel Maia. Essas ameaças podem funcionar para alguns, não para mim”.

Sem mais artigos