O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reivindicou nesta quarta-feira (23) na Assembleia Geral da ONU o “imediato” retorno ao poder do presidente constitucional de Honduras, Manuel Zelaya, e que a comunidade internacional fique alerta sobre a “inviolabilidade” da Embaixada do Brasil em Tegucigalpa.

Lula pediu mais “vontade política” para confrontar situações que conspiram contra a paz, o desenvolvimento e a democracia, e citou o golpe de Estado de 28 de junho em Honduras, cujo líder, disse, tem “refúgio garantido” na Embaixada do Brasil em Tegucigalpa.

O Brasil solicitou na terça-feira (22) uma reunião do Conselho de Segurança da ONU para discutir a nova situação em Honduras, provocada pelo retorno na segunda (21) ao país do deposto chefe de Estado.

O Conselho de Segurança da ONU, no qual o Brasil reivindica há uma década uma reforma desse órgão e uma vaga como membro permanente, é presidido este mês pelos Estados Unidos.

Lula abre debate da Assembleia da ONU e pede volta de Zelaya ao poder

Sem mais artigos