Em
30 dias uma proposta com sugestões para mudanças no
calendário do futebol brasileiro e com medidas para
aperfeiçoar a gestão dos clubes deve ser elaborado e apresentado ao presidente Luiz Inácio
Lula da Silva.
O prazo foi estabelecido em reunião entre Lula,
o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo
Teixeira, e o ministro do Esporte, Orlando Silva.

Em relação ao
aperfeiçoamento da gestão dos clubes, o ministro do Esporte disse que é
preciso criar uma espécie de lei de responsabilidade fiscal para os
clubes, a exemplo do que ocorre hoje com a administração pública para
limitar gastos. A finalidade é evitar o endividamento, realidade de
parte dos clubes brasileiros.

“Seriam medidas para uma gestão
mais profissional, enquadrar os orçamentos de modo a reduzir as dívidas
dos clubes. Há dívidas trabalhistas, fiscais e bancárias enormes. É
preciso reestruturar essas questões de modo a dar eficiência ao
futebol”, disse Silva.

O ministro chegou a citar os altos
salários dos jogadores como um dos motivos que levam os clubes a se
endividarem. Perguntado se a saída seria reduzir salários e se a
medida não levaria à perda de jogadores para times do exterior que
oferecessem melhor remuneração, Orlando Silva disse que essa é uma
discussão a ser feita entre clubes e atletas.

A discussão sobre
a mudança no calendário tem a finalidade de evitar a saída de jogadores
para campeonatos de outros países durante as competições no país.
“No Brasil, no meio do campeonato, os melhores atletas por vezes saem
do país”, disse Silva.

Segundo ele, também entrou na pauta a necessidade
de ajustar o calendário brasileiro ao europeu, o que depende de uma
construção entre clubes com interesses diferentes e também
patrocinadores e emissoras de televisão que detêm o direito de
transmissão.

Mesmo que sejam acordadas dentro do prazo
estabelecido de 30 dias, as mudanças no calendário do futebol
brasileiro podem não entrar em vigor já no próximo ano. Isso por que,
segundo Silva, já há contratos assinados pelos clubes que teriam que
ser cumpridos.

Sem mais artigos