O sistema operacional Windows (Microsoft) ainda predomina entre os contribuintes pessoa física que enviaram a declaração do Imposto de Renda de 2009 pela internet. Mesmo assim, segundo o supervisor nacional do Programa do Imposto de Renda, Joaquim Adir, a Receita Federal continuará mantendo a versão Java (Sun Microsystem), única disponibilizada este ano, que funciona em qualquer sistema operacional, incluindo os programas de computador conhecidos como softwares livres.


 


“Pouca gente usou [software livre]. Mas será mantido, porque é essa a filosofia: atender a todos. A maioria absoluta continua com Windows. E essa cultura poderá mudar com o tempo”, disse Joaquim Adir.


 


O sistema operacional é o programa de computador que permite ao usuário “se entender com a máquina”. Por meio dele, é possível comandar o computador e usar outros programas instalados na máquina, como editores de textos e planilhas de cálculo. Existem dois tipos de sistema operacional: os pagos, como o Windows da Microsoft, e os softwares livres, gratuitos, como o Linux e suas diversas versões.


 


Hoje (4), a Receita divulgou que o número de declarações do Imposto de Renda Pessoa Física entregues neste ano pela internet chegou a 25.565.859. A estimativa inicial era de que 25 milhões de declarações fossem enviadas por meio eletrônico.


 


De acordo com a Receita, 500 mil contribuinte devem entregar as declarações do IR com atraso. O órgão não informou o número de declarações apresentadas em formulários de papel.


 


A Receita anunciou também que amanhã (5) deverá ser publicada no Diário Oficial da União instrução normativa que trata da devolução do imposto de renda cobrado sobre a venda de dez dias de férias dos trabalhadores.


 


Para ter direito, o contribuinte nessa situação deverá fazer uma ou mais declarações retificadoras de quatro anos: 2005, 2006, 2007 e 2008 (anos-base 2004, 2005, 2006 e 2007). Os programas estão disponíveis na internet. Na declaração de 2009, a correção foi feita automaticamente.


 


A Receita estima que serão devolvidos R$ 2 bilhões.
 

Sem mais artigos