Com a casa lotada e plateia ansiosa, a cantora Maria Rita encantou os fãs com o show dessa sexta-feira (14), no Citibank Hall, em São Paulo. Barriguinha de fora e exibindo uma bela forma física a cantora levantou o público ao iniciar o show cantando à capela “Samba Meu”, música que dá título ao DVD e ao show, foi considerado o Melhor CD no Prêmio Multishow de Música Brasileira e Melhor Álbum de Samba no Grammy Latino de 2008.  Cantou, dançou e rodopiou, abrindo os braços como sua mãe Elis Regina, já na primeira música a cantora mostrou a que veio: fazer o público vibrar ao som do bom e bem feito samba meu.

“Vocês não imaginam o quanto é especial estar aqui, essa aqui é minha casa, não só por estar em São Paulo, mas aqui, nesse palco”, declarou Rita antes de anunciar a segunda música da noite. “Ta perdoado” música de Franco e Arlindo Cruz estava na boca da galera, que batia palmas marcando o samba que foi tema da novela “Duas Caras” da Rede Globo. Entrando em seus maiores sucessos, a cantora mostrou outras canções que foram temas de produções da emissora, sem que a plateia deixasse de acompanhar animadíssima, “Encontros e Despedidas” (Milton Nascimento e Fernando Brant), tema da novela “Senhora do Destino” (2004), e “Caminho das Águas” (Rodrigo Maranhão), tema da minissérie “Amazônia” (2007), foram muito bem recebidas e executadas pela incrível banda que a acompanha.

“O Homem Falou” de Gonzaguinha foi recebida com muito entusiasmo da galera, seguida por “Corpitcho”, que representa muito bem a atual forma da cantora.

O cenário do show carrega o espectador para dentro do universo de “Samba Meu”, assinado por Zé Carratu, faz referências aos morros cariocas e às rodas de samba, como em uma mesinha coberta por uma delicada bandeira do Brasil bordada no centro do palco. A luz de Marcos Olívio serve para destacar a cantora e deixá-la grande no palco.
Para terminar a noite e deixar um gostinho de quero mais o biz foi delicioso, “Cara Valente” de Marcelo Camelo, fez o público correr em direção ao palco e liberar o samba no pé. Seguida de “Não Deixe o Samba Morrer” e “O Homem Falou”, a noite terminou com a sensação que Maria Rita é sim, uma das maiores vozes atuais do samba.

Sem mais artigos