O cantor Caetano Veloso está de volta a São Paulo com o show Zii e Zie, que será apresentado na sexta (6), sábado (7) e domingo (8), no Citibank Hall. Aproveitando a sua vinda à capital paulista, o cantor deu uma entrevista exclusiva e reveladora ao jornal O Estado de S. Paulo. Quem esperava que ele fosse falar apenas de sua música e de arte, se enganou. Caetano deu suas opiniões sobre a violência que atinge o país e, principalmente, sobre política.

Marina x Lula

Caetano revelou que votará em Marina Silva nas eleições de 2010, porque “ela não é analfabeta como Lula”. O artista ainda a comparou com o presidente norte-americano, Barack Obama. “Não posso deixar de votar nela. É por demais forte, simbolicamente, para eu não me abalar. Marina é Lula e é Obama ao mesmo tempo. Ela é meio preta, é cabocla, é inteligente como o Obama, não é analfabeta como o Lula, que não sabe falar, é cafona falando, grosseiro. Ela fala bem”, afirmou.

E justificou ainda que, se ela for candidata, votará nela com a esperança de que acolha a complexidade da realidade e seja mais pragmática e mais elegante que Lula. Para Caetano Veloso, Marina é capaz de gerir o Brasil, pois é responsável e muito sensata. “Se empenhar as energias para ganhar e se tornar capaz disso, ela levará a sensatez ao ponto de poder gerir. Suponho que agora ela não parece ter essa capacidade, com as coisas como estão”, disse em entrevista ao Estadão. E sobre o nosso país, o que o cantor tem a dizer? Ele resume que “o Brasil é um país com destino de grandeza e originalidade fatal”.

Mas Caetano também elogiou Lula, dizendo que ele fez a economia deslanchar, ao contrário de José Serra que, segundo ele, se tivesse sido eleito teria feito uma economia de esquerda, trazendo problemas que o país não enfrenta. Já sobre Dilma Rousseff, o cantor preferiu apenas resumir que ela tem uma trabalho de pura gestão, mas sem experiência de poder político direto. “Ela nunca foi eleita a coisa nenhuma”, lembrou.

Rio 2016

O artista também falou sobre a violência no país, que preocupa muito, principalmente no desafio de receber eventos tão importantes como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Ela revela que a violência o assusta sim, mas que não vive com medo.

“Hoje as pessoas aceitam a violência, o Congresso com essa corrupção toda… O povo não é tolo assim. Hoje há mais exposição dessas coisas. Então não é que as coisas mudaram, é que elas vieram à tona. Suponho que o povo percebe. Passei um ano no Rio e vi como eram as coisas, não se pode dizer que era melhor. E não se falava muito do assunto. Ele apenas veio à tona. Mas olha, vir à tona é uma melhoria”, afirmou.

Caetano também se disse avesso à tecnologia e afirmou que não tem celular, nem Twitter, apenas e-mail. Em 2010, o cantor segue com Zii e Zie em turnê internacional pela América Latina, Estados Unidos, Europa e talvez Austrália e Ásia.

Sem mais artigos