A modelo Kate Moss foi acusada de promover a anorexia entre os jovens após declarar, em uma entrevista à publicação de moda WWD, que um dos lemas que regem sua vida é que não há “nada melhor do que se sentir magra”.


 


Estas declarações indignaram os membros da campanha contra o culto à magreza no Reino Unido, que qualificaram de “chocante” e “irresponsável” a atitude da modelo britânica, afirma hoje o jornal sensacionalista The Sun.


 


“Há 1,1 milhão de pessoas com transtornos alimentares só em nosso país, e os comentários de Kate Moss podem causar muitos mais. Se alguém ler qualquer site pró-anorexia verá como ficam loucos com declarações como esta”, criticou Katie Green, ex-modelo britânica que participou da campanha “não ao tamanho zero”.


 


Ao ser perguntada sobre que lemas segue, Moss respondeu: “tenho muitas. Não há nada melhor do que se sentir magra é uma delas. Você tenta e lembra, mas nunca funciona”.


 


Moss já teve que desmentir várias vezes que tivesse algum problema de anorexia, devido à magreza.


 


Segundo Deanne Jade, do Centro Nacional para Transtornos Alimentares (NCFED, em inglês) do Reino Unido, o fato de Moss ser a imagem da marca de roupas Topshop “a transformou em um ícone para milhões de mulheres jovens”, e por isso a importância de suas palavras.


 


Na mesma entrevista, Moss afirma que um rosto bonito não funciona se não for uma boa pessoa.


 


“Eu não sou o que normalmente se entende como uma mulher bonita, mas, aparentemente, as pessoas acham que estou bem”, diz a modelo.

Sem mais artigos