O Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) puniu nesta sexta-feira (12) os últimos testes nucleares e de mísseis balísticos realizados pela Coreia do Norte, ao ampliar o embargo de armas e o bloqueio de ativos que já mantinha contra o país, além de autorizar a inspeção de navios e aviões suspeitos de transportar armamento.

O Conselho, principal órgão de decisões da ONU, ampliou as sanções ao regime comunista de Pyongyang, que cada vez mais recebe críticas internacionais, inclusive de seus aliados mais próximos como a Rússia e a China, e de outros membros não-permanentes do conselho como o Vietnã ou Líbia.

A punição ao país asiático, que vive sob uma ditadura comunista e se vê cada vez mais isolado da comunidade internacional, é uma resposta aos lançamentos de mísseis realizados nos dias 5 de abril e 25 de maio, quando também realizou um teste nuclear, ações pelas quais violou a resolução 1.718, de outubro de 2006, que condenava um possível teste nuclear, o que resultaria em sanções, caso fosse efetuado.

A nova resolução impõe um embargo total às exportações de armas do país asiático e amplia a proibição das importações de armamento, além de permitir a inspeção de navios e de aviões suspeitos de transportar armas de destruição em massa.

Além disso, pede aos Estados-membros que, antes de 30 dias, ampliem sanções para a lista de ativos, entidades e indivíduos do regime norte-coreano e que os mecanismos de inspeção a Pyongyang sejam reforçados.

Sem mais artigos