A pouco menos de dez dias para o réveillon, a Praia de Copacabana, na zona sul da cidade, está se preparando para receber milhões de pessoas, entre cariocas e turistas de outros estados e países, para a sua tradicional festa de passagem do ano.


 


Localizado em frente ao hotel Copacabana Palace, na Avenida Atlântica, o palco principal dos shows da virada do ano já começou a ser montado por uma equipe de mais de 200 pessoas. Serão instaladas 55 torres de som, 100 contêineres e 27 geradores de energia. A previsão é que toda a estrutura esteja pronta no dia 29 de dezembro.


 


De acordo com o secretário municipal especial de Turismo, Antônio Pedro Figueira de Mello, o sucesso da festa comprova a capacidade do Rio de realizar grandes eventos. “No dia 31, a cidade vai demonstrar, mais uma vez, que tem infraestrutura para receber bem os turistas e promover uma festa de padrão internacional, com ordem e segurança. Tudo isso sem esquecer da alegria, principal marca do povo carioca.”


 


Além dos shows com diversas bandas nacionais, quem for a Copacabana vai assistir à tradicional queima de fogos que, este ano, representará nove desejos para o novo ano: renovação, prosperidade, paz, felicidade, amigos, família, amor, Brasil e futuro.


 


Segundo a secretaria de Turismo, a trilha sonora do espetáculo também será especial para o momento, interpretada por artistas renomados da música popular brasileira.


 


Os organizadores da festa pedem ao público que for à praia para o réveillon que use roupas brancas e leve um ponto de luz, como lanternas, isqueiros ou telefones celulares.


 


O engenheiro capixaba André dos Santos, que chegou ao Rio no último fim de semana, disse que só vai deixar a cidade depois da festa de réveillon. Segundo ele, assistir à queima de fogos nas areias de Copacabana é um sonho de infância. “Sempre quis vir para cá nessa época e nunca tinha conseguido. Mas, neste ano, reuni toda a família e vim realizar meu sonho. Estamos todos muito ansiosos pela virada do ano, que, certamente, será inesquecível”, disse ele, que viaja acompanhado da esposa, de dois filhos e dos pais.

Sem mais artigos