O papa Bento XVI pediu neste sábado (21) aos artistas que transmitam a verdadeira beleza da arte, e não a “hipócrita”, da qual “frequentemente” se faz propaganda e que aviva a ânsia de poder sob expressões de “obscenidade, transgressão ou provocação”.


Em um encontro realizado na Capela Sistina do Vaticano com cerca de 260 artistas, o pontífice falou sobre o conceito de beleza que, segundo ele, a arte deve transmitir.


 


“Muito frequentemente, a beleza da qual se faz propaganda é ilusória e falaz, superficial e deslumbrante até o atordoamento e, em vez de fazer sair os homens de si mesmos e abrir horizontes de verdadeira liberdade, atraindo-os para o alto, os aprisiona em si mesmos e os torna ainda mais escravos, carentes de esperança e de alegria”, afirmou o papa.


 


“É uma sedutora, mas hipócrita, beleza, que aviva a ânsia, a vontade de poder, de posse, de abuso sobre o outro e que se transforma, em seguida, em seu oposto, assumindo a expressão da obscenidade, da transgressão ou da provocação”, acrescentou.


Por isso, o pontífice fez uma chamada à responsabilidade dos artistas em transmitir a verdadeira beleza, que, segundo ele, leva o coração humano ao “desejo profundo de conhecer, de amar, de ir em direção ao outro”.


 


“Vocês são os guardiães da beleza. Vocês têm, graças a seu talento, a possibilidade de falar ao coração da humanidade, de tocar a sensibilidade individual e coletiva, de gerar sonhos e esperanças, de ampliar os horizontes do conhecimento e do compromisso humano”, disse Bento XVI.


 


“Estejam, portanto, agradecidos pelos dons recebidos e sejam plenamente sabedores da grande responsabilidade de comunicar a beleza, de fazer comunicar na beleza e através da beleza. Sejam também vocês, através de seua arte, anunciantes e testemunhos de esperança para a humanidade”, acrescentou.

Sem mais artigos