O prazo de parcelamento das compras nunca foi tão extenso no Brasil. Desde o início do Plano Real, o brasileiro nunca parcelou tanto suas compras como nos dias atuais. Em maio, o prazo médio dos financiamentos concedidos aos consumidores chegou a 495 dias (ou um ano e quatro meses para quitar a compra).

Desde a estabilização da economia, há 15 anos, os comerciantes têm estendido o prazo das compras e elevado as vendas graças à crescente concessão de crédito.

Em maio do ano passado, o prazo médio das vendas havia chegado a 456 dias – ou um ano e três meses. Mas em setembro esse processo foi bruscamente interrompido pela crise deflagrada pela quebra do banco americano Lehman Brothers.

Segundo constatou o jornal O Estado de S. Paulo, ao contrário de outras crises, dessa vez os prazos longos dos financiamentos ao consumidor estão voltando rapidamente.

De acordo com o consultor financeiro Fabio Silveira, a melhora dos financiamentos no comércio é puxada pelas linhas de crédito consignado e de veículos, que têm os parcelamentos mais longos, e são as menos arriscadas. No crédito consignado, o desconto é feito na folha de salários. E os veículos podem ser recuperados em caso de inadimplência.

Sem mais artigos