O brasileiro Torben Grael, que atualmente comanda o barco Ericsson 4 na Volvo Ocean Race de vela, afirmou à Agência Efe que o Rio de Janeiro tem condições de receber os Jogos Olímpicos de 2016, mas lembrou que o projeto precisa pensar na herança que o evento deixaria para a cidade.

“O Rio tem condições de receber os Jogos, mas é preciso fazer um planejamento para que a população possa desfrutar desse fato, caso ele se concretize. As instalações devem ser bem aproveitadas depois da competição, mas é preciso fazer melhorias nos transportes e na segurança, que é uma das coisas mais importantes para sediar os jogos e para quem vive aqui”, disse.

Em entrevista exclusiva na base da equipe Ericsson no Rio de Janeiro, Torben ressaltou a importância do investimento na política do esporte nacional. Para o duas vezes campeão olímpico, quem recebe os Jogos precisa ter uma participação relevante no evento.

“É preciso investir na política pelo esporte nacional. Não se pode pensar apenas em organizar os Jogos Olímpicos. Deve-se pensar também em ter uma participação relevante. Acho que a estrutura do esporte brasileiro está bastante desatualizada”, disse Grael.

Ele não poupou críticas à situação da Baía de Guanabara e ressaltou a importância de se resolver com urgência o problema da poluição.

“A sujeira na Baía de Guanabara não é uma coisa nova. Ela está bastante maltratada, muito poluída há anos. A maior parte do esgoto do Rio e de outras cidades é despejado nela. Há muitos dejetos industriais”, afirmou.

Para Grael, a poluição chega a prejudicar as embarcações durante as competições. “A qualidade da água não é o único problema. Há um fato determinante para a prática da vela que é a quantidade de detritos, bastante coisa boiando. Para um barco de competição, isso é fatal: qualquer coisa que fique presa nos apêndices do leme ou na quilha do barco diminui a performance de maneira bastante notável”, explicou.

“Se você quiser fazer os Jogos Olímpicos aqui na Baía de Guanabara, tem que pensar desde já nesses problemas, pois não é uma coisa resolvida da noite para o dia”, completou.

Projeto do Rio para Jogos de 2016 deve pensar no legado à cidade, diz Grael

Sem mais artigos