Depois do roubo da prova em outubro, que prejudicou 4 milhões de candidatos e por enquanto causou prejuízo de mais de R$ 30 milhões aos cofres públicos, estudantes de todo o país participam neste final de semana da 11ª edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Criada em 1998, a prova é voluntária, mas ganhou peso desde que passou a ser pré-requisito para conseguir uma bolsa do Programa Universidade para Todos (ProUni). Neste ano, ela também vai substituir – total ou parcialmente – o vestibular de pelo menos 40 universidades federais.

O estudante Alair Pinheiro, 17 anos, do Colégio Setor Oeste, em Brasília, acredita que as mudanças vão deixar a prova mais difícil em 2009 e teme que suas chances de conseguir uma bolsa no ProUni sejam menores. Mesmo depois do vazamento da prova, ele acredita que o Enem continua a ter um peso importante para os estudantes. “A credibilidade continua em alta, é um exame nacional. Às vezes ocorrem falhas mesmo”, diz.

O adiamento do exame, na opinião de Luana Rafaela, 17 anos, também aluna do 3° ano do Setor Oeste, atrapalhou os candidatos porque a data ficou próxima à de outros vestibulares como o da Universidade de Brasília (UnB). “Em outubro, a gente já estava preparado. Agora juntou com o PAS [Programa de Avaliação Seriada], com o vestibular. Acho que a gente vai chegar um pouco cansado para as outras provas”, acredita .

As provas do Enem foram roubadas na gráfica que imprimia o material por funcionários do consórcio que era responsável pela aplicação do exame. A empresa foi afastada e o Ministério da Educação (MEC) contratou o Centro de Seleção e de Promoção de Eventos (Cespe) e a Fundação Cesgranrio – responsáveis pelo Enem nos anos anteriores – para assumirem a nova logística. Os Correios, a Polícia Federal e até o Exército participam do esquema de segurança montado para a nova aplicação do exame.

O candidato Wallace Lucas, 17 anos, aluno da mesma escola,  levou vantagem com o cancelamento porque aproveitou o tempo extra para estudar. “Acho que o adiamento foi um aliado para muita gente, deu um tempo a mais para complementar os estudos”, diz. Durante esta semana, ele se preocupou com os horários de sono para aguentar a maratona de dez horas de prova. “Eu vou me preparar até em relação à alimentação. Tudo o que envolve a questão psicológica ou física pode prejudicar o rendimento na prova.”

O Enem começa às 13h (horário de Brasília), com abertura dos portões às 12h. Neste sábado (5), as provas serão de ciências da natureza e humanas. Já no domingo (6) será a vez de avaliar o conhecimento dos estudantes em linguagens e códigos, matemática e redação.

Cada prova terá 45 questões de múltipla escolha, totalizando 180 durante os dois dias de prova. Já a redação deve ser estruturada na forma de prosa do tipo dissertativo-argumentativo sobre tema na área social, científica, cultural ou política. Os gabaritos oficiais serão divulgados neste domingo, às 20h, no site do MEC.

O ministério enviou para a casa de cada um dos participantes um cartão de confirmação com todas as informações sobre a realização do exame, inclusive o local de prova. Quem não recebeu, pode consultar o site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) ou ligar para 0800 61 61 61.

Quatro milhões de estudantes participam do Enem neste final de semana

Sem mais artigos