O BreakOut é uma daquelas bandas que chamam a atenção antes mesmo do primeiro acorde de guitarras soar. Formada em São Paulo pelo baixista e vocalista Link e pelo batera Léo, sendo depois reforçada pelos gêmeos Luis e John (guitarras e voz), a banda começou com o amor dos garotos pelo som do McFly, de quem faziam cover.

Agora os garotos têm a oportunidade de abrir para a banda que os uniu durante a turnê brasileira dos caras, em quatro shows entre os dias 5 e 10 de outubro, para a qual eles mal podem esperar.

“Vamos abrir os shows, sim, mas ainda não caiu a ficha de que vai rolar mesmo”, conta o batera Léo. “Só vai cair a ficha quando a gente encontrar com eles cara a cara. Chegar do lado deles e falar: ‘Nossa, os caras tão aqui'”.

“Finalmente tá chegando o dia”, ri o baixista Link. “Por enquanto, nós estamos bem tranquilos.”

Primeiro CD

Os garotos têm um estúdio em casa, onde tem a chance de trabalhar suas canções levando todo o tempo que os for necessário, fato que dá a eles uma vantagem.

“Podendo tocar em casa, com pessoas conhecidas em volta, nós podemos crescer mais”, conta Link. “Lá fora, por mais que tenha uma pessoa que goste de verdade da gente, sempre vão ter várias querendo nos derrubar porque tem milhares de outras bandas ‘disputando’ com a gente. Em casa da pra nós crescermos bem antes de sair.”

O CD de estréia dos caras ainda não tem data oficial de lançamento, mas eles estão correndo para conseguir colocar o álbum na rua ainda antes dos shows com a banda inglesa.

O visual importa

Quando você coloca os olhos nos garotos, é fácil pensar que se trata de uma banda de hardcore melódico, mas suas influências e sua sonoridade vão bem além disso.

“Falam que nós parecemos banda de hardcore mas é por causa da cara de novinho”, ri o guitarrista Luis. “Isso é de propósito mesmo. Nós temos nosso estilo, o estilo de cada um e é pro pessoal olhar e dizer: ‘Ih, é uma bandinha de hardcore’. Aí a gente sobe no palco e as pessoas levam um ‘soco no estômago'”, diz Link.

O baterista Léo adiciona: “Nós queremos é surpreender”. “Temos sempre que surpreender. Queremos que as pessoas esperem o pior pra nós podermos mostrar nosso som e chegar lá em cima”, completa Link.

Ouça o som dos garotos na página oficial deles e guarde seus nomes: ainda vai se ouvir falar muito deles.

Sem mais artigos