O senador republicano Roy Ashburn, que se destacou na câmara alta do estado da Califórnia (EUA) como um forte opositor dos direitos dos gays, admitiu na segunda-feira (8) que é homossexual.

“Sou gay. Essas são palavras que para mim foram muito difíceis de dizer durante muito tempo”, afirmou em entrevista para uma rádio de Los Angeles.

Ashburn, de 55 anos, divorciado e pai de quatro filhos, falou sobre sua orientação sexual uma semana após ser detido quando saía de um bar frequentado por homossexuais na cidade de Sacramento, capital administrativa da Califórnia.

Durante a entrevista, o senador disse que tinha “meditado profundamente”, e então decidiu reconhecer publicamente que é homossexual, pois as pessoas que lhe elegeram mereciam uma explicação.

“Sempre pensei que podia separar minha vida pessoal de minha vida pública. Mas com minhas próprias ações fiz com que minha vida pessoal seja pública”, explicou.

Ashburn justificou que sua posição de oposição aos gays era para representar seus eleitores e não sua orientação sexual. “Nunca tive dúvidas da posição de uma grande maioria do povo de meu distrito”, disse.

Em 2009, o senador votou contra uma iniciativa que buscava estabelecer o dia 22 de maio como o dia de Harvey Milk, ativista assassinado homossexual cuja vida foi interpretada pelo ator Sean Penn no filme Milk-A Voz da Igualdade.

Senador americano que votou contra direitos dos gays afirma que é homossexual

Sem mais artigos