Hugo Reyes, mais conhecido como Hurley, é praticamente a única unanimidade em Lost: quem não gosta dele? Sejam os outros personagens ou os fãs da série, todo mundo acaba torcendo pelo cara mais simpático e solidário entre os sobreviventes do vôo Oceanic 815.

Pensando nisso, o site IGN elaborou uma lista com alguns dos melhores momentos de Hurley, desde a primeira temporada. Veja o que eles destacaram (atenção, há possíveis spoilers para quem ainda não assistiu as cinco temporadas já exibidas):


– O torneio de golfe (primeira temporada)
Quando todos estão desanimando com a demora de um possível resgate e alguns ânimos começam a se exaltar, Hurley promove a paz organizando um torneio de golfe, aproveitando tacos e bolas que estavam na bagagem de algum passageiro.


– Ele ganha na loteria (segunda temporada)
O dia em que Hurley ganha na loteria é incrível para ele: ele finalmente convida a garota de quem sempre foi a fim para sair, pede demissão, junto com o colega Johnny, e ainda arma um “Cluck You”, usando estátuas de gnomos, no jardim do ex-patrão, o Sr. Clucks. O único problema acontece no final do dia, quando finalmente todos descobrem que ele é o novo milionário.


– O ataque de fúria (segunda temporada)
Atormentado pelas alucinações com Dave (o careca de roupão que o “acompanhava” desde a internação no sanatório), ele pede a Sawyer uma dose dos remédios que este havia roubado e escondido. Quando Sawyer, na época ainda bem longe de ser o mocinho bacana de hoje em dia, faz piada com ele, Hurley não tem dúvidas: desconta sua raiva partindo pra cima do bonitão. Coisa que, naquela altura, todo mundo na ilha adoraria fazer.


– O romance (segunda temporada)
Pena que durou pouco, mas Hurley conquistou o coração da misteriosa Libby. Que, sem ligar para as aparências e os problemas psiquiátricos que ele demonstrava na época, beijou o rapaz e combinou um romântico piquenique. Mas as coisas não correram como previsto.


– O resgate (terceira temporada)
Sayid, Bernard e Jim haviam sido capturados e, em menor número e com pouca munição, Sawyer e Juliet apenas observavam de longe, sem saber o que fazer. Até que o heróico Hurley surge na velha kombi, atropelando um dos outros e causando uma confusão, em meio a qual Sayid e Sawyer conseguem derrotar os raptores. Para fechar com chave de ouro, é também Hurley que avisa aos colegas que ficaram na praia que o trio sequestrado estava vivo, ao contrário do que todos pensavam.


– A fuga na autopista (quarta temporada)
A quarta temporada de Lost começou com uma cena improvável: o pacato Hurley fugindo da polícia e sendo preso. Tudo aconteceu depois que ele viu o falecido amigo Charlie em uma loja e, transtornado, entrou em seu Chevrolet Camaro e saiu dirigindo em altíssima velocidade.


– A verdadeira história (quinta temporada)
Atormentado pela mentira, Hurley decide contar a verdade para sua mãe. Mas resumir tudo que aconteceu em quatro temporadas não é fácil. Essa vale até reproduzir na íntegra: “Ok. Olha, nós realmente caímos, mas foi nessa ilha esquisita. E esperamos por resgate, e ele não veio. E havia um monstro da fumaça e havia outras pessoas na ilha. Nós os chamávamos Os Outros e eles começaram a nos atacar. E nós encontramos algumas escotilhas, e havia um botão que você precisava pressionar a cada 108 minutos ou…bem, eu nunca entendi isso direito. Mas…os Outros não tinham nada a ver com as escotilhas. Isso era coisa da Iniciativa DHARMA. Os Outros os mataram, e agora estavam tentando nos matar. E então nós nos aliamos aos Outros porque pessoas piores estavam vindo em um navio. O pai da namorada de Desmond os enviou para nos matar, Então roubamos o helicóptero deles e voamos até o navio, mas ele explodiu. E não podíamos voltar para a ilha porque ela desapareceu, então nós caímos no mar, e flutuamos por um tempo, até que um barco veio e nos recolheu. E a essa altura éramos seis de nós. Essa parte é verdadeira”.


– Questionando as viagens no tempo (quinta temporada)
Não há dúvidas de que alguns dos melhores momentos da mais recente temporada foram os diálogos entre Hurley e Miles sobre o funcionamento das viagens no tempo e suas consequências. Como eles não se lembravam de já terem tido aquelas mesmas conversas antes? Como Ben não lembrava de Sayid, se o conheceu quando era criança? Isso sem contar, claro, a brilhante ideia de escrever Guerra nas Estrelas antes de George Lucas, mas sem os ewoks.

Sem mais artigos