As cerca de quatro mil pessoas, segundo informações da assessoria de imprensa, que ocupavam o Via Funchal na terça-feira (10) para o Indie Rock Festival não faziam a menor ideia de que, do lado de fora da casa de shows, um blecaute generalizado havia atingido a capital paulista e diversos outros Estados. Salvos pelo gerador da casa noturna, os shows do Super Furry Animals e do Gogol Bordello ocorreram sem problemas e agradaram em cheio ao pequeno público no local, que se acomodou com conforto em um Via Funchal com muitos espaços vazios.

 

O Super Furry Animals chegou ao palco com um repertório focado em seu mais recente álbum de estúdio, Dark Days/Light Years. Abrindo o show com hits como Hello Sunshine e Golden Retriever e depois focando apenas em canções recentes como The Very Best of Neil Diamond, White Socks/Flip Flops e Where Do You Wanna Go, o grupo conseguiu fazer um show cativante e que equilibrava com precisão momentos mais líricos com um instrumental pesado.

 

Após a curta apresentação da banda, que foi prejudicada pelo som abafado e desregulado do Via Funchal, entrou no palco a grande atração da noite: o Gogol Bordello, grupo de multiinstrumentalistas liderados pelo ucraniano Eugene Hütz, que provou mais uma vez que energia é o forte da banda. Embora o Via Funchal estivesse praticamente vazio, os fãs do energético grupo são tão fiéis e insanos que não foi preciso mais nada para incendiar a casa de shows.

 

O som múltiplo, repleto de instrumentos e que traz uma proposta de “música global”, mesclando influências da sonoridade cigana com violinos, guitarras e bumbos, é tão poderoso ao vivo que torna impossível a missão de ficar parado. A pegada punk que o show adquire é providencial, já que a banda não é exatamente um grupo de estúdio – seus trabalhos, que em álbum soam apenas diferentes, ganham um tom de celebração ao vivo.

 

As músicas do álbum Super Taranta!, como Supertheory of Supereverything, Your Country e American Wedding, podem parecer exageradas em estúdio, mas nos palcos do Via Funchal o grupo mostrou que tal exagero não é fanfarronice – constitui-se, na verdade, em uma explosão responsável por trazer para São Paulo, em plena terça-feira, uma festa na qual só perdia quem parava de dançar.

 

Embora o público tenha sido bastante reduzido e a qualidade do som fosse duvidosa, tanto o Super Furry Animals quanto o Gogol Bordello conseguiram agradar em cheio as pessoas presentes no Via Funchal, que poderiam ter sido beneficiadas por um áudio mais limpo e por um dia mais adequado para um show que termina após a meia-noite.

Sem mais artigos