Durou mais de três horas o depoimento do jovem Carlos Eduardo Nunes, de 24 anos, principal suspeito do assassinato do cartunista Glauco Villas Boas, de 53 anos, que assinava suas tiras apenas como Glauco, e de seu filho, Raoni, de 25 anos, na madrugada de quinta para sexta-feira, em Osasco, na Grande São Paulo.

Preso no domingo em Foz do Iguaçu, no Paraná, quando tentava fugir para o Paraguai, atravessando a Ponte da Amizade, Nunes teria admitido o duplo homicídio durante depoimento informal para policiais federais, e hoje ele falou com o delegado Archimedes Cassão Veras Júnior, do Setor de Investigações Gerais da Delegacia Seccional de Osasco. Gustavo Bardaró, advogado de Cadu, como o jovem é conhecido, também acompanhou o encontro.

Sem mais artigos