O brasileiro Torben Grael, atual líder da Volvo Ocean Race, faz previsões para a sexta etapa da regata de volta ao mundo, cuja largada será neste sábado (dia 11), às 15h, na Marina da Glória, no Rio de Janeiro. De lá, os veleiros de 70 pés, entre eles o Ericsson 4 comandado pelo brasileiro campeão olímpico, seguem para Boston, final da etapa.

Para Torben, que lidera a competição com 66 pontos, dois trechos da próxima etapa serão complicados. “A saída aqui do Rio será difícil, mas a chegada em Boston será determinante, porque teremos uma transição brusca de condições climáticas. Você vem de uma parte mais quente, com água a 23 graus e encontra a Corrente do Labrador, que vem lá do norte, a 2 graus”, disse. “Ao passar de uma corrente para a outra, as condições mudam drasticamente e, é claro, que há alguns temporais e mudança brusca de temperatura”, acrescentou.

Duas vezes campeão olímpico, Torben voltou a reclamar da curta duração das paradas da atual edição da Volvo Ocean Race que, nesta etapa carioca, ficou em terra firme durante 15 dias. “Essa falta de tempo é muito difícil. Na regata anterior, tínhamos o dobro de tempo entre as regatas. Ficamos aqui no Rio por quatro semanas. Desta vez, foram duas. Todas as paradas são pequenas e isso cansa demais”, desabafou. “As etapas são duras e, ao chegar em terra firme, temos uma maratona de atividades, entrevistas, relações públicas com clientes, além das atividades da regata, a parte técnica, as reuniões, as decisões sobre equipamentos. São muitas coisas ao mesmo tempo”, completou.

Apesar das inúmeras atividades, Torben acha importante o contato com o público durante os intervalos das etapas. “Ainda temos o público. Na vela, raramente temos público. Quando há, temos que tratar bem. Você não pode recusar um pedido de foto. Tem que atender. Isso é bom por um período, mas quando você está cansado da competição e tem um monte de atividades, fica um pouco cansativo”, explicou.

Quanto ao futuro da regata, Torben disse que a organização faz um trabalho semelhante ao dos dirigentes da Fórmula 1, ao tentar promover uma redução nos custos sem que a performance seja prejudicada. “Nessa regata, você usa o que há de mais moderno em termos de construção de design de barco à vela. Obviamente, fica um custo. No entanto, como na F-1, a organização está sempre tentando reduzir os custos. Sempre tem algo que você pode fazer para economizar mais sem que seja preciso reduzir demais a performance. Acho que é sempre importante manter o desempenho espetacular desses barcos”, disse.

Para o bicampeão olímpico, a redução no número de velas seria uma medida que ajudaria na questão econômica e não faria tanta diferença no desempenho das embarcações. “Podem ser feitas algumas ações, como reduzir um pouco o número de velas, o que não tem um impacto enorme na performance dos barcos – desde que ela seja feita com critério. Há também essa possibilidade de tirar um tripulante, entre outras mudanças”, afirmou.

Torben também ressaltou a solidariedade e o bom relacionamento entre os membros das equipes da Volvo Ocean Race. “Existe solidariedade entre as equipes. Em caso de acidente grave, são os próprios barcos que vão prestar os primeiros socorros. Além disso, essa regata acontece periodicamente e várias pessoas já competiram por vários times, todos se conhecem”, disse.

Sem mais artigos