O compositor Mark Lanegan tem um currículo grande demais para se colocar entre vírgulas em um parágrafo. Por isso, por enquanto vou resumir dizendo que ele é um dos mais importantes cantores da história do rock alternativo dos EUA. E que está em São Paulo para um show nesta quinta (24).

De volta após o elogiadíssimo show que fez ano passado com seu projeto Gutter Twins, que mantém ao lado de Greg Dulli (ex-Afghan Whigs), Lanegan chega ao recém-inaugurado Comitê Club para uma única apresentação, como parte do festival Popload Gig III.

“Da última vez que vim, me diverti muito. Gostei das pessoas que conheci e adorei o show. A plateia foi bem quente e receptiva também. É por isso que estou de volta”, comentou o cantor por telefone ao Virgula Música. “Da outra vez, felizmente tivemos alguns dias para dar umas voltas por aí.”

“Claro que nunca há tempo para se fazer tudo o que você quer em uma viagem, mas pude aproveitar e tentei tirar vantagem de todo o tempo que tive”, continuou Lanegan, rindo das minhas insinuações de que ele voltou para aproveitar mais uns copos de caipirinha.

O show

Quando se fala de um setlist dos shows de Mark, deve se levar em conta que ele poderia tocar qualquer coisa de suas muitas (mas muitas mesmo) bandas diferentes. E, pelo discurso do cantor, muita coisa deve ficar de fora, já que o foco do set será mesmo seus seis discos solos.

Só pra citar algumas: Queens of The Stone Age, Mad Season, Soulsavers, The Twilight Singers e até parcerias com a cantora Isobell Campbell, além do próprio Gutter Twins e dos Screaming Trees.

“Bem, estamos basicamente excursionando com esse show. Foi isso que ensaiamos e é isso que vamos tocar”, comentou, impaciente. “A maior parte do set é de coisas dos meus discos solo, mas também vamos tocar algumas músicas dos outros projetos também. Será um pouquinho de tudo.”

Todos os fãs de Lanegan querem saber sobre o Screaming Trees, banda seminal do grunge que lançou o cantor para o estrelato no final dos anos 80 e chegou ao seu ápice em 1996, com o lançamento de Dust, maior destaque e último disco da carreira do grupo.

O assunto incomoda Lanegan, que fala com um certo tom de desânimo quando tem que comentar sobre essa fase. Cansado de revisitar o assunto, o cantor se diz bastante feliz em poder olhar para a banda como apenas parte do passado.

“Não ligo quando vejo bandas antigas voltando, afinal, cada um sabe o que é melhor para si. Mas se você quer saber se vou tocar alguma coisa de Trees, acredito que sim, que algumas músicas vão entrar no set list”, comentou Mark, com voz de poucos amigos.

O tão comentado revival

Mark Lanegan está feliz em deixar o Screaming Trees no passado, mas não recrimina as grandes bandas do fim dos anos 80 e começo dos anos 90 que estão voltando à ativa em grandes ondas que incluem os Pixies, Pavement, Alice In Chains, Jawbox e Sunny Day Real State.

Apesar de não ter interesse em integrar a galeria dos retornos aos palcos com o Screaming Trees, o cantor disse que até gostaria de ver alguns desses gupos ao vivo mais uma vez.

“Não é pra mim, mas não ligaria em ver o Soundgarden ou o Alice In Chains mais uma vez no palco. São meus amigos e estão tentando continuar fazendo tudo o que os deixa felizes. É como eu te digo, fico feliz de ver que essas pessoas ainda sentem alegria em tocar.”

“Eu não tenho o direito de dizer quem pode e quem não pode tocar. Por exemplo, os Stones continuam na estrada, mesmo depois de sei lá eu quantos anos”, continuou Lanegan. “Todo mundo tem o direito de fazer qualquer coisa que queira, por mais que ninguém concorde.”

Mark Lanegan: "Não ligo quando vejo bandas antigas voltando"

Sem mais artigos