Nesta sexta, dia 5 de março, comemora-se o Dia Nacional da Música Clássica em homenagem ao aniversário do maior compositor erudito brasileiro de todos os tempos: o maestro Heitor Villa-Lobos, morto em 1959. A data comemorativa foi criada pelo presidente Lula no ano passado, com o objetivo de marcar os 50 anos de sua morte.

Muita gente não sabe, mas o erudito sempre teve ligações com o pop. Para mostrar isso, o Virgula Música listou dez grandes fusões entre os dois gêneros, desde o primeiro compacto de sucesso a ter referências da música clássica, lá no longínquo ano de 1956.

Leia os textos abaixo, ouça as músicas e divirta-se!

ANOS 50

Chuck BerryRoll Over Beethoven – Depois de fundar os pilares básicos do rock nos EUA, o mestre da guitarra dos anos 50 foi falar de Tchaikovsky e do compositor alemão que dá nome à música, em uma fusão frenética que turbinou ainda mais uma das maiores revoluções musicais e culturais do século XX.

Elvis PresleyIt’s Now or Never – Logo depois de Berry, o Rei se rendeu aos encantos da música orquestrada, logo no primeiro ano da década de 1960. Inspirada na ária O Sole Mio, do italiano Eduardo di Capua, a música foi um sucesso gigante nos Estados Unidos desde seu lançamento e está imortalizada no cancioneiro popular do país.

ANOS 60

Na década seguinte, o rock psicodélico abriu espaço para a música erudita, especialmente por conta das produções dos compositores do chamado Minimalismo – entre eles, Steve Reich e Phillip Glass – cujo trabalho era baseado na repetição de harmonias simples. Essa estética caiu como uma luva no estilo viajandão das bandas de rock da época.

Beach BoysGod Only Knows – A grande obra da vida de Brian Wilson mostrou ao mundo do rock o poder de uma orquestra. O disco Pet Sounds (1966) abriu uma avenida para o que veio a se tornar o rock progressivo e derrubou os paradigmas sobre como se fazer um disco pop – com arranjos e harmonias sofisticados – naquela época.

BeatlesBecause – Depois dos Beach Boys, foram os quatro cabeludos de Liverpool que se entregaram às orquestrações em seus discos. Desse modo, serviram de influência para gente do calibre de The Who, King Crimson, Serge Gainsbourg, Jethro Tull e posteriormente Emerson, Lake & Palmer e um caminhão de bandas progressivas dos anos 70.

ANOS 70

YesCans and Brahms – Os anos 70 foram a cara do Yes, que, graças ao talento e ousadia do tecladista/maestro Rick Wakeman, traduziu o espírito erudito na atmosfera do rock progressivo. Os sintetizadores abraçaram as harmonias da banda inglesa, que levaram o gênero a um patamar ainda mais ligado à música clássica. A música abaixo dá uma ideia do que esses caras eram capazes de fazer em estúdio.

Mike OldfieldTubular Bells – A grande obra do rock progressivo veio mesmo pelas mãos deste multiinstrumentista, que conseguiu derrubar de vez todas as diferenças entre o minimalismo erudito dos anos 60 e o rock dos anos 70. Abaixo você ouve um trecho dessa música inigualável do compositor britânico.

ANOS 80

MadnessSwan Lake – nos anos 80, a invasão ska inglesa se espalhou pelas ondas do rádio. Foi ai que a música erudita encontrou mais um escape: a transformação de O Lago do Cisne, de Tchaikovski, em uma fusão perfeita com o ritmo jamaicano que influenciou o pop e o rock.

Green DayBasket Case – Parece mentira, mas o megahit de Billy Joe Armstrong e companhia, principal nome do punk rock na década, tem a mesmíssima sequência de acordes da peça Canon em Ré maior, do compositor alemão Johann Pachelbel. Assim, o Green Day mostrou que não é preciso usar orquestra para homenagear uma composição erudita.

MetallicaS&M – Gravado ao lado da Orquestra Sinfônica de São Francisco, o disco colocou nova luz sobre a carreira do Metallica, mais importante banda americana de heavy metal da história, e serviu como um cala-boca para os críticos do estilo. Abaixo, você vê a versão da pesadíssima For Whom The Bell Tolls com instrumentos eruditos.

Anderson NoiseO Trenzinho Caipira – Ao lado da Orquestra Bachiana Filarmônica e sob a regência do maestro João Carlos Martins, o DJ e produtor brasileiro realizou um memorável concerto na Sala São Paulo em maio do ano passado. Para fechar a lista, veja a versão deles para um dos grandes clássicos de Villa-Lobos, o homenageado do dia.

Sem mais artigos