Duas semanas depois de perder a primeira no grupo 2 da Copa Libertadores, o São Paulo joga amanhã no estádio Defensores del Chaco contra os paraguaios do Nacional, às 19h de Brasília.

 

Depois da derrota de 2 a 1 para os colombianos do Once Caldas em Manizales, na segunda rodada, o São Paulo iniciou uma sequência de duas vitórias e um empate no Paulistão.

 

E a principal arma do Tricolor Paulista para o confronto é o atacante Washington, com sete gols em 11 partidas oficiais no ano de 2010. No último fim de semana ele balançou a rede duas vezes contra a Ponte Preta, no Campeonato Paulista, e vai com moral elevada para o confronto com os paraguaios.

 

“A equipe recuperou a confiança. Uma condição boa para atuar na Libertadores, que é nosso principal objetivo. Isso nos dá uma grande tranquilidade para ir lá (Assunção) e fazer uma boa partida”, disse o jogador.

 

A confiança em um bom resultado é compartilhada pelo lateral Cicinho. “Será nosso segundo jogo fora de casa e a responsabilidade é grande, já que queremos continuar bem. Temos confiança em nosso futebol e nos vamos classificar bem na Libertadores”, disse.

 

O técnico Ricardo Gomes pode usar três atacantes, com Fernandinho e Dagoberto ao lado de Washington. O zagueiro Miranda e o volante Cléber Santana, que estavam ausentes por lesão, têm volta assegurada ao time.

 

Os donos da casa entram em campo precisando dos três pontos, já que perderam as duas partidas que fizeram até agora na competição – 2 a 0 diante do Once Caldas, em Assunção, e 2 a 1 em visita ao Monterrey, no México.

 

O treinador do Nacional, Ever Almeida, realizou uma série de mudanças, incluindo jogadores e esquemas táticos, para conseguir a vitória a qualquer custo.

 

O clube vem de vitória de 1 a 0 sobre o Guaraní no Torneio Apertura, mas ocupa apenas a sétima posição.

 

 

Prováveis escalações:

 

Nacional: Caffa; Peralta, Piris, Miranda e Mazacote; Melgarejo, Bordón, Riveros e Cáceres; Bogado e Víctor Aquino. Técnico: Ever Almeida.

São Paulo: Rogério Ceni; Cicinho, Alex Silva (Xandão), Miranda e Jorge Wagner (Júnior César); Jean, Cléber Santana, Hernanes e Marcelinho Paraíba; Dagoberto e Washington. Técnico: Ricardo Gomes.

Árbitro: Enrique Osses (CHI), auxiliado por seus compatriotas Julio Díaz Pardo e Sergio Román.

Sem mais artigos