Tony Blair, ex-primeiro-ministro britânico, afirmou nesta sexta-feira (29) que não se arrepende de ter participado da Guerra do Iraque e nem de ter ajudado a depor o ditador Saddam Hussein. Em depoimento em inquérito sobre a participação da Grã-Bretanha no conflito, Blair garantiu que faria tudo de novo se preciso.


 


“A decisão que tomei, e francamente tomaria de novo, foi que, se houvesse qualquer possibilidade de que ele (Saddam) pudesse desenvolver armas de destruição em massa, nós deveríamos impedi-lo”, disse.


 


Blair continuou seu discurso atacando o iraquiano, morto em 2006. Para ele, Saddam era um “monstro e acredito que ele ameaçava não apenas a região, mas também o mundo”.


 


O ex-primeiro-ministro respondeu perguntas por mais de seis horas. Depois disso, ainda foi posto de frente com membros do público, que criticaram sua postura quando fazia parte do governo britânico.



 

Sem mais artigos