Por volta das 16h desta quinta-feira (24) estudantes da USP (Universidade de São Paulo) iniciaram uma passeata na Av. Paulista, em São Paulo, protestando contra a ação da Polícia Militar no campus da universidade e pedindo a saída do atual reitor, João Grandino Rodas.

Os universitários usaram a Praça Oswaldo Cruz como ponto de partida e seguiram ao longo da avenida munidos de cartazes, faixas e apitos.

LEIA TAMBÉM: Entenda quem são os “acampados” do Anhangabaú

Segundo estimativas, da própria Polícia Militar – que, apesar de ser o foco da manifestação, seguia os estudantes para dar proteção e organizar o trânsito – cerca de mil pessoas participaram da marcha. 

Os universitários apontaram a ação repressiva da polícia no campus e a conivência do reitor e do Governado do Estado, Geraldo Alckmin, à ação como mote para o protesto. Aos gritos de “Governador, a culpa é sua, hoje a aula é na rua” e alegando que a greve dos acadêmicos “não é pela maconha”, eles seguiram até o vão livre do MASP. Vestidos de rosa, alguns ofereciam um “shock de amor” à população. 

Toda a confusão começou depois de três alunos da universidade terem sido presos por estarem fumando maconha no campus. Os estudantes iniciaram um protesto e tomaram a reitoria por uma semana, exigindo que a polícia fosse retirada do local em nome da segurança dos alunos. Os manifestantes só deixaram o prédio depois de uma semana, quando o reitor, com apoio do Governador, pediu ajuda à tropa de choque da PM para desocupar o local. Mais de 70 estudantes foram presos na ocasião. 

Veja como foi no vídeo abaixo:

Alunos da USP fazem manifestação na Av. Paulista

Sem mais artigos