A cidade-estado de Berlim inaugurará no próximo domingo o primeiro cemitério exclusivo para lésbicas da Alemanha, um espaço de 400 metros quadrados, com 80 vagas, situado no coração da capital.

O projeto deste inusitado cemitério, que já possui muitas covas reservadas, foi desenvolvido em uma área do terreno do cemitério evangélico Georgen Parochial, situado a 100 metros do conhecido terminal Alexanderplatz.

Em uma das áreas sem túmulos do local, próximo a um parque infantil, a promotora do cemitério para lésbicas obteve permissão para iniciar sua proposta de forma gratuita.

A fundação Sappho, que agrupa mulheres homossexuais de meia idade em Berlim, remodelou a área com um caminho em forma de espiral que passa debaixo das árvores.

“Vivemos junto às lésbicas e também queremos ser enterradas com lésbicas”, explicou hoje uma porta-voz da fundação Sappho ao jornal “Bild”.

No entanto, Stefan Evers, o responsável da União Democrata-Cristã (CDU) para os assuntos ligados aos homossexuais, bissexuais e transexuais em Berlim, se mostrou contrário ao projeto.

Em declarações ao “Bild”, Evers foi claro ao rejeitar a proposta: “Essa não é minha ideia de integração e aceitação. Quem se tem como parte da sociedade em vida, não deveria se isolar na morte”, argumentou.

Sem mais artigos