Cartazes criativos pedem fim do governo Mubarak no Egito #25jan

Placas criativas são exibidas durante manifestações nas ruas do Egito pela saída do presidente Mubarak #25jan

Manifestantes pró e contra o presidente do Egito, Hosni Mubarak, se enfrentaram durante toda a quarta-feira (02). Coquetéis molotov, bombas, tiros e pedras foram atirados para assegurar o domínio da Praça Tahrir, principal ponto de manifestações do Cairo.

Muitas ruas tiveram seu pavimento completamente destruído para ser usado como munição por manifestantes de ambos os lados. A onda de violência civil (com alguns agentes policias infiltrados), começou depois do discurso de Mubarak na terça-feira, em que ele admite uma nova eleição em setembro sem a sua participação.

O exército também deu razão aos apelos dos manifestantes e disse que não faria nenhum disparo ou repressão contra eles. Justamente no dia em que os partidários de Mubarak decidiram usar a força bruta para tomar a praça Tahrir de volta.

Alguns egípcios que voltaram a tuitar hoje, como @ToFytaa_SRK, que era partidária às manifestações, hoje já pede pela pacificação do Egito. Mas essa não parece ser a opinião de todos por lá e muito menos a opinião dos EUA, antigos aliados de Mubarak.

O presidente americano, Barack Obama, mandou um recado para o presidente egípcio nessa terça (01), dizendo que ele deveria terminar de uma vez por todas seu mandato que já dura 30 anos.O vice-presidente engrossou o coro na quarta, dizendo que a transição de governo deve ser imediata, e não em setembro.

A ONU também deu seu palpite e lembrou que há mais de 10 anos recomenda o fim do regime de Mubarak.

A Revolução Jasmim, na Tunísia, durou 28 dias entre a auto-imolação de Mohamed Bouazizi e a fuga do presidente Ben Ali. A ONU contabilizou 100 tunisianos mortos durante os confrontos, principalmente militares. O número não é nem um terço dos egípcios abatidos: já são mais de 300 em nove dias de manifestações.

Nosso amigos britânicos do Daily Mail reuniram algumas boas fotos dos protestos e enfrentamentos dessa quarta. Veja aqui.

Cairo tem primeiro dia de violência generalizada

Sem mais artigos